Clique e assine a partir de 8,90/mês

Emirados Árabes rejeitam os caças Rafale

Segundo o príncipe da coroa de Abu Dhabi, condições oferecidas pela empresa são impraticáveis

Por Da Redação - 16 nov 2011, 17h14

A Dassault vem esperando alguns anos para conseguir vender seus caças Rafale para algum país além da própria França. Com as negociações congeladas no Brasil, a empresa apostou suas fichas nos Emirados Árabes – com quem vinha negociando desde 2008. Contudo, essa venda – que já era dada como certa pela companhia – também subiu no telhado. O príncipe da coroa de Abu Dhabi, o Sheikh Mohamed bin Zayed, que também é responsável pelas forças armadas do país, afirmou à agência Reuters que as conversas não avançaram, e que as condições oferecidas pela empresa são “impraticáveis”.

Bin Zayed reconheceu os esforços diplomáticos do presidente francês, Nicolas Sarkozy, em assegurar o acordo para a compra dos caças, mas criticou a posição irredutível da Dassault. “A intervenção pessoal do presidente no processo manteve a Dassault à frente de nossas considerações. Infelizmente, a Dassault parece não ter se dado conta de que todos os esforços diplomáticos e políticos do mundo não podem superar condições comerciais não competitivas e impraticáveis”, afirmou o príncipe.

Segundo fontes ouvidas pela Reuters, os Emirados têm pressionado a Dassault para que haja melhorias nos motores e radares da aeronave. Ainda de acordo com a agência, as forças armadas do país também querem mudar a estrutura do acordo de compra, que tem sido criticado por todos os competidores.

Leia mais:

Ante indefinição brasileira, Dassault mira agora os Emirados Árabes

Rafale, o caça que ninguém quer comprar

França acredita que venderá caças Rafale aos Emirados

Continua após a publicidade
Publicidade