Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em tempo de home office, cresce número de nômades digitais no mundo

Uma parcela crescente da população abre mão da residência fixa para adotar um estilo de vida que mescla turismo e trabalho

Por André Sollitto Atualizado em 27 jan 2022, 21h34 - Publicado em 29 jan 2022, 08h00

O isolamento social imposto pela pandemia reformulou de maneira radical o mercado de trabalho. Milhões de pessoas espalhadas pelo mundo se viram forçadas a adotar o modelo remoto, fazendo reuniões pela internet e interagindo com seus colegas pelo WhatsApp. Sem a necessidade de ir ao escritório, muitas delas transferiram a base profissional para casas de praia ou no interior, se afastando do ritmo caótico das metrópoles. As mais ousadas se jogaram em um estilo de vida ainda mais transformador. Com o avanço de tecnologias como videoconferências e sistemas de inteligência artificial, as amarras territoriais desapareceram, abrindo espaço para uma geração de nômades digitais. Não é exagero dizer que, em muitos casos, basta um notebook na mochila para dar expediente em qualquer canto do mundo — desde que, é claro, a internet funcione.

Os nômades digitais acabam de ganhar um integrante de peso: Brian Chesky, CEO do Airbnb, a plataforma que ajudou a sacudir o mercado de turismo ao oferecer a viajantes a possibilidade de alugar uma casa ou apartamento por poucos dias, em vez de reservar apenas um quarto de hotel. O empresário anunciou que não terá mais residência fixa. Ele pretende passar algumas semanas em cada destino, começando por Atlanta, na Geórgia, Estados Unidos, e se hospedar apenas em imóveis disponíveis no app. De tempos em tempos, retornará a São Francisco, na Califórnia, onde fica o escritório central.

Para justificar a decisão, Chesky compartilhou alguns números da plataforma registrados em 2021. Uma em cada cinco reservas no terceiro trimestre foi para estadias de pelo menos 28 dias. E metade delas foi feita por ao menos uma semana. Nos doze meses entre setembro de 2020 e setembro de 2021, mais de 100 000 hóspedes fizeram reservas de noventa dias ou mais. É uma grande mudança, já que antes a plataforma era conhecida pelas estadias curtas, de poucos dias. A empresa também abriu doze vagas para o programa Live Anywhere, em que os escolhidos passarão um ano viajando pelo mundo com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços oferecidos. Mais de 300 000 pessoas se inscreveram para a iniciativa.

REMOTO - Chesky, CEO do Airbnb: casa em vários países -
REMOTO – Chesky, CEO do Airbnb: casa em vários países – Kurt Krieger/Corbis/Getty Images

Pode parecer só uma esperta jogada de marketing. O.k., talvez seja um pouco disso, mas outros exemplos mostram que, com certo grau de desprendimento, até mesmo quem não é o CEO de um app de alcance global e dono de fortuna estimada em 12 bilhões de dólares pode se dar ao luxo de viver assim. O especialista do Google Vinicius de Oliveira sempre gostou de viajar. Morou dois anos na Austrália, fez um mochilão pelo Sudeste Asiático e passou temporadas em diversas cidades do interior de São Paulo. Durante a pandemia, percebeu que poderia abrir mão também da residência fixa. “Trabalhar por doze meses para poder viajar nas férias é coisa do passado”, diz. Nos últimos dois anos, eles esteve em Belém, Maceió e Rio de Janeiro. Ficou algumas semanas em diversas cidades menores de São Paulo, e mesmo dentro da capital paulista explorou períodos em diferentes bairros. Agora, se prepara para passar duas semanas na Argentina. Na volta, vai a Belo Horizonte.

Continua após a publicidade

É um estilo de vida que exige desapego material. Vinicius viaja só com uma mochila, onde guarda mudas de roupas suficientes para uma semana. Em outra mala, menor, leva o computador. Ele conta que já sentiu falta de ter um espaço apropriado para trabalhar em lugares onde se hospedou. “Eu também adoro cozinhar, e nem todas as cozinhas são equipadas ou têm os temperos de que gosto”, diz. “Mas quando está em uma cidade diferente, com tanto para conhecer, você releva essas coisas.” Assim, o turismo se mescla à rotina. O almoço é uma oportunidade para conhecer restaurantes locais, e a preguiça na frente da TV nos fins de semana dá lugar a passeios.

A mudança vem sendo feita de maneira desigual, como costuma ser no Brasil. No fim do ano passado, pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgaram um estudo que traça o perfil de quem adotou o home office entre maio e novembro de 2020, quando a pandemia estava descontrolada e a vacina ainda longe de se tornar realidade. O levantamento mostrou que a força de trabalho remoto era majoritariamente feminina (57,8%), de pessoas que se declararam brancas (65,3%), com nível superior completo (76%), na faixa de 30 a 39 anos (31,9%) e empregadas no setor privado (61,1%). Naquele período, 7,3 milhões de brasileiros trabalharam em home office, ou 9,2% da população ocupada. Desde então, o porcentual caiu, com empresas requisitando a volta de seus funcionários.

arte nômades

Alguns setores têm se mostrado mais abertos a adiar o retorno aos escritórios. É o caso dos gigantes de tecnologia, como Google e Apple, que decidiram manter seus colaboradores do mundo inteiro em teletrabalho. Em outros casos, com estruturas hierárquicas muito verticalizadas, adotar o nomadismo digital de forma definitiva é um sonho distante. “O home office é um modelo que veio para ficar, mas não quer dizer que ele, de imediato, vai atingir a maioria”, diz Fábio Mariano Borges, antropólogo, sociólogo e professor da ESPM. Ele traça um paralelo com a internet. “É uma tendência que, primeiro, demora um tempo para se estabelecer. E, depois, atinge maior abrangência.”

De fato, o nomadismo digital já se desenha como uma oportunidade real para uma parcela crescente da força de trabalho. É preciso, porém, ter algumas habilidades importantes, como a capacidade de adaptação e a responsabilidade de entregar as demandas sem a pressão do ambiente corporativo, além de certa autonomia financeira. “Ficou claro na pandemia que não importa o número de horas trabalhadas, mas o resultado final”, diz Borges. De certa forma, adotar um estilo de vida nômade está relacionado a ter poder sobre a própria agenda. Isso, sim, é algo realmente transformador.

Publicado em VEJA de 2 de fevereiro de 2022, edição nº 2774

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês