Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Em áudio, Graça Foster fala em ‘gestão temerária’ na Petrobras

Em reunião tensa do Conselho, ex-presidente da Petrobras bateu boca com Miriam Belchior em relação ao balanço do terceiro trimestre de 2014

Por Da Redação 20 Maio 2015, 09h12

A ex-presidente da Petrobras Graça Foster reclamou de “gestão temerária” na estatal e se disse ofendida quando seus atos foram comparados aos da administração anterior, nomeada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O desabafo foi feito na tensa reunião do Conselho de Administração da companhia em 27 de janeiro deste ano, cujos embates levaram a executiva a renunciar. O jornal O Estado de S. Paulo teve acesso ao áudio do encontro.

Na reunião, o colegiado discutia uma forma de estimar as perdas com a corrupção e o superfaturamento de obras descobertos na Operação Lava Jato. O objetivo era a publicação do balanço contábil do terceiro trimestre da estatal. Em rota de colisão com outros conselheiros, Graça defendeu a publicação de notas explicativas que indicavam, naquele momento, a necessidade de baixar 88 bilhões de reais dos ativos da empresa. Dias depois, contrariada com a divulgação do valor, a presidente Dilma Rousseff acertou com a executiva a renúncia dela e de mais cinco diretores.

Leia também:

Em áudio, diretor da Petrobras lista 35 funcionários “não confiáveis”

Ex-diretor da SBM diz que CGU não se esforçou para investigar Lava Jato antes das eleições

Continua após a publicidade

Na reunião, a então presidente da Petrobras bateu boca com a presidente da Caixa, Miriam Belchior, à época conselheira, por ter comparado seus atos aos da diretoria que deliberou sobre a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. A aquisição foi aprovada em 2006 pelo conselho de administração e, segundo o TCU, gerou prejuízo de 792 milhões de dólares.

À época, o colegiado era presidido pela então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Em nota ao Estado, Dilma justificou que só aprovou o negócio porque o resumo executivo apresentado pelo então diretor Internacional, Nestor Cerveró, omitia cláusulas do negócio consideradas prejudiciais.

Miriam reclamou que, a exemplo do que teria ocorrido naquela época, Graça não levou à reunião de janeiro informações para o debate sobre o balanço da estatal e que fora surpreendida por dados apresentados por auditores da PricewaterhouseCoopers (PwC), responsável por assinar as demonstrações contábeis da companhia.

“Assusta a gente a informação não ter vindo para a mesa. Aí você se lembra de Pasadena”, protestou Miriam. “Não nos confunda com Pasadena. Não nos ofenda”, protestou Graça, acrescentando: “Se há dúvida, demita a diretoria”.

Na reunião, Graça afirmou que, quando assumiu a função, colocou em curso um programa para resolver “uma série” de falhas “que a empresa tinha, de coisas malfeitas”, que ela não aceitava. “Já tenho um monte de problemas decorrentes de gestão temerária de outros colegas”, disse, sem citar nomes.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)