Clique e assine com até 92% de desconto

Carne e feijão foram os vilões da inflação em 2019

Feijões branco e carioca foram os itens que tiveram maior variação de preço, após subirem muito no 1º tri; das 20 maiores altas, 13 são de cortes bovinos

Por Larissa Quintino Atualizado em 10 jan 2020, 14h27 - Publicado em 10 jan 2020, 09h53

A disparada no preço da carne bovina no fim do ano fez com que a inflação, que caminhava para fechar em um patamar abaixo de 2018, acelerasse. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 10, o índice fechou o ano em 4,31%.  Dos vinte itens que mais subiram em 2019, treze são cortes bovinos. Ao todo, a categoria teve alta de 32,24%, com o aumento da exportação do produto. Porém, o item que acumulou o maior aumento no valor em 2019 foi o feijão branco, com alta de 98,21%.

De acordo com o IBGE, no começo de 2019, os aumentos de maior destaque ocorreram nos preços de alguns cereais. O feijão-carioca, que fechou 2019 em alta de 55,99%, chegou a acumular alta de 105% no primeiro trimestre. O grupo dos cereais, no qual o feijão está inserido, fechou o ano em alta de 12,71%.  No caso das carnes, a disparada foi sentida em novembro e dezembro. Só nesse período, o grupo acelerou 27,61%. 

Além das carnes e de tipos de feijão, os jogos de azar também estão na lista dos vilões do ano, após o reajuste das loterias autorizado pelo governo em novembro. Uma aposta na Mega-Sena, por exemplo, subiu de 3,50 reais para 4,50 reais.

O que pesou menos no bolso

O maior responsável pela inflação em 2018, o tomate, fez as vezes de mocinho em 2019. O item ficou 30,45% mais barato no ano passado após ter avançado 76,1%. Outros itens como cenoura e cebola também caíram. No caso das carnes, alguns peixes tiveram queda, podendo ser opção na mesa do brasileiro para suavizar as contas no fim do mês.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade