Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Economia da zona do euro entra de novo em recessão

PIB diminuiu 0,2% no 2º trimestre do ano, depois de crescimento nulo no 1º

A economia tanto dos países da zona do euro quando das 27 nações da União Europeia encolheu 0,2% no segundo trimestre de 2012, na comparação com os três primeiros meses do ano, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo escritório estatístico europeu, o Eurostat. O desempenho coloca a região em recessão – no primeiro trimestre, o crescimento foi nulo em ambas as zonas.

Leia também:

Alemanha desacelera e França tem crescimento zero

Bancos espanhóis pedem mais de € 400 bi ao BCE

PIB da Grécia desaba 6,2% no 2º trimestre

Em relação a julho do ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) da união monetária caiu 0,4% no segundo trimestre, enquanto o do conjunto da União Europeia ficou 0,2% menor. No segundo trimestre do ano, estavam em recessão pelo menos oito dos 17 países da eurozona – ainda não há dados disponíveis para todos. Entre eles estão algumas das maiores economias do bloco, como Itália, Espanha e Grã-Bretanha.

Também estão em recessão Grécia – embora a Eurostat ainda não disponha dos dados relativos ao segundo trimestre – e Portugal, faltando conhecer os dados da Irlanda. O mesmo acontece com o Chipre, que pediu um resgate completo à zona do euro e ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e registra quatro trimestres em terreno negativo.

Surpreendem os dados da Finlândia, cuja economia retrocedeu 1% entre abril e junho, após avançar 0,8% no primeiro trimestre. O mesmo aconteceu com a Bélgica, que viu seu PIB encolher 0,6%, depois de ter crescido 0,2% nos primeiros três meses do ano.

Crescimento – A Romênia, por outro lado, conseguiu sair da recessão ao registrar um ligeiro crescimento de 0,5% entre abril e junho, frente à queda de 0,1% e 0,2% nos trimestres imediatamente anteriores. O melhor resultado foi registrado pela Suécia, com um crescimento de 1,4%.

Enquanto isso, o PIB da França segue estagnado e o alemão aumentou 0,3%, resultado melhor que o esperado (0,2%) apesar da desacelaração econômica – no primeiro trimestre a Alemanha cresceu 0,5%.

(Com agência EFE)