Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Economia brasileira entra em recessão com recuo de 0,6% no segundo trimestre

Em relação ao segundo trimestre de 2013, o PIB caiu 0,9% - indústria foi principal tropeço do PIB

Por Da Redação
29 ago 2014, 09h18

A economia brasileira registrou contração de 0,6% no segundo trimestre de 2014 na comparação com os três meses anteriores, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado do primeiro trimestre foi revisado para queda de 0,2%, o que significa que o país entrou em recessão técnica – observada quando há dois resultados trimestrais negativos em sequência. Antes, os dados indicavam que o Produto Interno Bruto (PIB) havia crescido 0,2% no primeiro trimestre, em relação ao quarto período de 2013.

O Brasil não entrava em recessão técnica desde a crise financeira global de 2008/2009. Os dados divulgados nesta manhã pelo IBGE reforçam o fato de que o Brasil vive seu pior momento econômico na gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição em outubro. A recessão era esperada pelo mercado, dado o cenário ruim em que o país se encontra, com baixa confiança da indústria, do comércio, do setor de serviços e do consumidor, fraca geração de emprego e investimentos retraídos.

O que é recessão técnica?

Os economistas consideram que um país entrou em recessão técnica quando a soma de tudo o que é produzido (PIB) em seu território registra dois trimestres seguidos de queda na comparação com o período anterior.

Em comparação ao segundo trimestre de 2013, o PIB caiu 0,9%, de acordo com o IBGE, e o crescimento acumulado no ano foi de 0,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia também:

Na semana do PIB, a palavra é recessão

Continua após a publicidade

Economistas apostam em inflação e juros maiores em 2015

O PIB é analisado pelos economistas sob duas óticas distintas: a da oferta, representada pelo setor produtivo (agropecuária, indústria e serviços) e a dos gastos, representada por investimentos, consumo das famílias, gastos do governo e balança comercial (exportações menos importações).

No olhar da oferta, o principal impacto negativo no resultado do trimestre que se encerrou em junho foi da indústria. A atividade do setor recuou 1,5% no segundo trimestre em relação ao primeiro e caiu 3,4% na comparação com o mesmo período de 2013.

Considerada a soma de todas as riquezas produzidas pela economia entre abril e junho, de 1,27 trilhão de reais, o setor de serviços respondeu por 750,1 bilhões de reais (59%), seguido por indústria (255 bilhões; 20%) e agropecuária (82,5 bilhões; 6,5%).

No caso do setor de serviços, o mais importante para o PIB, houve um recuo de 0,5% na comparação com o primeiro trimestre e um crescimento bem tímido, de apenas 0,2%, em relação ao período de abril a junho de 2013. Já o PIB da agropecuária até chegou a crescer 0,2% ante o trimestre anterior, mas não foi suficiente para conter o resultado negativo. Um dos fatores que pesaram na economia no segundo trimestre foi a realização da Copa do Mundo, devido ao menor número de dias úteis em razão de feriados.

Leia ainda: Desaceleração da economia corta 83,6 mil vagas no comércio no 1º semestre

FT: eleitores parecem não se importar com a queda da economia brasileira

Ainda segundo o IBGE, sob a ótica da demanda a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), uma medida de investimentos, recuou 5,3% no trimestre passado sobre o período imediatamente anterior – o pior resultado desde 2009 e o quarto trimestre seguido de retração.

O IBGE também informou que o consumo do governo recuou 0,7% no segundo trimestre sobre o primeiro, enquanto que o consumo das famílias cresceu 0,3% na mesma base de comparação.

PIB do 2º trimestre, por setores

IBGE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.