Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

É papel que não acaba: o Brasil da nota de R$ 200

Movimento, que soa como um eco do passado, veio atender a uma demanda emergencial do presente: o temor do governo de que, em meio à crise, faltassem reais

Por Larissa Quintino Atualizado em 24 dez 2020, 08h52 - Publicado em 24 dez 2020, 06h00

Enquanto o papel-moeda anda em declínio no mundo todo, situação acelerada pela pandemia, que tornou as notas de dinheiro potenciais superfícies contagiosas onde o novo coronavírus pode se alojar, eis que o Brasil lançou uma nova cédula — a de 200 reais. Esse movimento, que soa como um eco do passado, veio atender a uma demanda emergencial do presente: o temor do governo de que, em meio à crise, faltassem reais. “Em momentos de incerteza, é natural que as pessoas busquem uma reserva em dinheiro”, justificou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no lançamento, em setembro, da cédula novinha em folha, ornada com a imagem de um lobo-guará. As redes sociais, sempre elas, trataram de viralizar a brincadeira de que estaríamos mais bem servidos com o brasileiríssimo vira-lata caramelo. Pesou ainda em prol da impressão em massa da nota a criação do auxílio emergencial, benefício federal concedido em grande escala aos mais afetados pela crise, recurso frequentemente sacado na boca do caixa.

E, nesta era em que as transações digitais avançam rapidamente, dá-lhe produção de dinheiro vivo. A demanda foi calculada pelo BC: seriam necessários 105,9 bilhões de reais em espécie, além dos 64 bilhões já previstos para este ano, para dar conta da elevada demanda. Sem tempo nem capacidade fabril, foi cogitada até a possibilidade de se importar cédulas, mas o BC acabou optando pela nota de 200, made in Brazil. Até o início de dezembro, 42,3 milhões de cédulas estampadas com o lobo-guará já estavam em plena circulação. Enquanto o Brasil ostenta número tão graúdo de dinheiro vivo, em países da União Europeia, onde ainda se imprimem notas de 500 euros, as cédulas são malvistas e vão escasseando: seriam um estímulo para a lavagem de dinheiro ao facilitar o transporte de polpudas cifras decorrentes de negócios ilícitos. A nota de 200 reais começou a pipocar e logo estreou nas páginas policiais, depois que a PF encontrou várias dela na cueca do senador Chico Rodrigues (DEM), em cena grotesca. A cédula também foi objeto de ações movidas por deficientes visuais questionando seu tamanho, o mesmo da de 20 reais. O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a aventar a extinção do lobo-guará em papel um mês após sua invenção, mas ele segue firme.

Publicado em VEJA de 30 de dezembro de 2020, edição nº 2719


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês