Clique e assine com até 92% de desconto

Dólar ultrapassa R$ 3,90 sem intervenção do BC

A moeda americana fechou a R$ 3,9111 na venda, maior valor desde 7 de junho, quando bateu R$ 3,9258

Por Da redação Atualizado em 2 jul 2018, 18h25 - Publicado em 2 jul 2018, 17h56

O dólar saltou quase 0,9% nesta segunda-feira e passou o patamar de R$ 3,90, acompanhando o cenário externo com movimentos de maior aversão ao risco e sem intervenções extraordinárias do Banco Central. A moeda fechou a 3,9111 reais na venda, maior valor desde 7 de junho, quando bateu 3,9258 reais. É o segundo avanço seguido da moeda americana, que terminou sexta-feira em 3,877 reais.

Em junho, o dólar fechou com valorização acumulada de 3,76%. É o quinto mês consecutivo de aumento, período em que subiu 22% frente ao real.

  • O baixo volume de transações financeiras pela manhã, devido ao jogo Brasil e México pelas oitavas de final da Copa do Mundo, e o cenário externo marcado pela tensão comercial entre os Estados Unidos e a China são apontados pela corretora Rico Investimentos em relatório como possíveis causas do salto. Na sexta-feira, os Estados Unidos devem passar a tarifar aproximadamente 34 bilhões de dólares em produtos chineses  e o país asiático deve elaborar uma resposta à altura.

    Sem intervenções

    Mesmo com a forte alta, não houve leilões extraordinários de dólar futuro por parte do Banco Central na sessão desta segunda o mecanismo que a instituição usa para conter o avanço da moeda americana. O BC optou por manter a venda do lote previsto de 14.000 swaps cambiais.

    O swap cambial é um recurso para suavizar a pressão das variações do mercado de câmbio. Por meio desses contratos, o Banco Central se compromete a pagar ao investidor a valorização do dólar, enquanto o investidor se compromete a pagar ao governo o valor da taxa Selic. Assim, o swap diminui movimentos especulativos, pois desincentiva a compra de dólares. 

    (Com Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade