Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dólar poderia estar mais baixo sem ruído político, diz Guedes

Apesar de pedir maior consenso político, Guedes disse que o dólar alto ajuda alguns setores da economia brasileira, como o turismo interno

Por Da Redação
7 jul 2021, 21h14

O dólar poderia estar mais baixo não fossem os ruídos políticos, disse nesta quarta-feira, 7, o ministro da Economia, Paulo Guedes, em audiência pública na Câmara dos Deputados. Ele declarou que a guerra política tem reflexos no mercado financeiro.

“O dólar poderia estar mais baixo em relação ao real se não tivesse essa guerra nossa”, afirmou o ministro, sem entrar em detalhes. Nesta quarta, o dólar comercial fechou a R$ 5,24, no maior valor desde o fim de maio.

Apesar de pedir maior consenso político, Guedes disse que o dólar alto ajuda alguns setores da economia brasileira, como o turismo interno. Na avaliação dele, o nível atual do câmbio favorece as viagens dentro do país.

“Hoje, com o dólar a R$ 5, o que está acontecendo? Famílias humildes do Brasil inteiro estão se beneficiando porque essa família rica, entre aspas, em vez de estar indo para a Disneylândia levando funcionários e uma porção de gente, está viajando pelo Brasil”, disse. Em sua intervenção, o ministro não relacionou o turismo interno com as restrições a viagens internacionais impostas pela pandemia da Covid-19.

Continua após a publicidade

Reforma administrativa

O ministro participou de duas audiências públicas na Câmara dos Deputados. Pela manhã, foi à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle prestar esclarecimentos sobre a política econômica. E desde o meio da tarde, Guedes fala à comissão especial que discute a reforma administrativa.

Durante a audiência sobre a reforma administrativa, o ministro enfrentou cobranças de deputados da oposição sobre os cálculos do governo com a economia promovida pela reforma. Os parlamentares argumentam que o prazo final para a apresentação de destaques ao texto acaba nesta quinta, 8, e que a falta do detalhamento dos números impede a sugestão de emendas e de alterações.

O ministro respondeu que os números do impacto fiscal da reforma administrativa são públicos e conhecidos desde que a proposta foi enviada ao Congresso, em setembro do ano passado. Guedes, no entanto, comprometeu-se a enviar os dados novamente à comissão especial.

Continua após a publicidade

Os deputados cobram a apresentação das cifras, em forma de anexo, aos estudos da reforma. Segundo os parlamentares, o próprio Ministério da Economia divergiu sobre o assunto, divulgando estimativas de economia de R$ 300 bilhões e de R$ 450 bilhões nos próximos dez anos.

Guedes defendeu a diferença, informando que os diversos números consideram diferentes cenários de aprovação da proposta de emenda à Constituição.

Parlamentares que participam da audiência querem que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, prorrogue o prazo de apresentação de emendas e destaques após o envio dos dados detalhados pela equipe econômica.

Continua após a publicidade

Com Agência Brasil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.