Clique e assine a partir de 9,90/mês

Doença de executivo leva Fiat a mudar o comando depois de 14 anos

O italiano Sergio Marchionne sofreu complicações depois de uma cirurgia no ombro e deixa o comando do grupo automotivo que também abrange a Chrysler

Por Da Redação - 21 Jul 2018, 17h47

A Fiat Chrysler (FCA) anunciou neste sábado a saída do executivo italiano Sergio Marchionne do cargo de CEO (presidente-executivo) do grupo automotivo. Ele foi afastado do comando da empresa por motivos de saúde, por causa de graves complicações – não detalhadas – depois que se submeteu a uma cirurgia no ombro. Marchionne é considerado um dos principais executivos da indústria automotiva mundial e estava à frente da Fiat desde 2004, tendo sido reconhecido como um dos responsáveis pela recuperação do grupo nesse período.

Seu substituto imediato no comando da FCA é o presidente de Jeep (que pertence ao grupo), o inglês Mike Manley. Marchionne também deixará o cargo de CEO da Ferrari e da fabricante de tratores CNH Industrial, sendo substituído, respectivamente, pelo presidente da Philip Morris, Louis Carey Camilleri, e pela inglesa Suzanne Heywood.

“A FCA comunica com profundo pesar que, no decorrer desta semana, Marchionne sofreu complicações inesperadas durante a recuperação de uma cirurgia, e elas pioraram seriamente nas últimas horas. Como consequência, Marchionne não poderá retomar o trabalho”, informou o grupo italiano, que é controlado pela família Agnelli.

Marchionne, de 66 anos, foi submetido a uma cirurgia em junho, no ombro direito. Sua última aparição pública foi em 27 de junho, em um evento em Roma. Os executivos dos três grupos (FCA, Ferrari e CNH Industrial) se reuniram neste sábado à tarde, emergencialmente, para tratar da sucessão antecipada.

Continua após a publicidade

(Com a France Presse)

 

Publicidade