Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Disney alcança sua ‘era de ouro’ com a marca Frozen

Reportagem no 'The New York Times' mostra que valor com a venda de produtos do desenho superou 1 bilhão de dólares

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h45 - Publicado em 21 nov 2014, 14h00

Impulsionada pela marca Frozen, a Disney atualmente está na era de ouro de sua lucratividade. Desde o lançamento da animação em novembro de 2013, as princesas Elsa e Anna se tornaram duas das personagens mais requisitadas em produtos no mundo. Em entrevista à CNBC, o presidente da Disney, Robert Iger, disse que espera vendas “muito quentes” no Natal.

As vendas de produtos Frozen totalizaram 1 bilhão de dólares em 2014. Neste ano, já foram vendidos mais de 3 milhões de vestidos, o equivalente ao número de meninas de quatro anos na América do Norte. As fantasias chegam a custar cerca de 100 dólares em lojas de brinquedos nos Estados Unidos. As informações foram publicadas no jornal The New York Times.

Leia também:

Mattel perde licença das Princesas Disney e de Frozen para Hasbro

Brasileiro quer uma Walt Disney em Porto Rico

Cenário – De forma geral, há sinais de que as marcas estão em declínio. Estudos mostram que consumidores buscam cada vez mais novas experiências de consumo. “As marcas estão se tornando menos importantes como chancelas de qualidade”, explica o professor da Universidade de Stanford, Itamar Simonson. Mas a Disney é uma exceção. “Criamos produtos que contam histórias e têm conexão emocional com o consumidor. Levamos os filmes à vida real”, disse o vice-presidente de licenciamento da companhia, Josh Silverman.

De acordo com o The New York Times, a marca Frozen ainda ajudou a expandir o mercado de brinquedos para meninas. A professora da Universidade da Califórnia e especialista em cultura dos brinquedos, Elizabeth Sweet, afirmou que antigamente boa parte dos brinquedos eram destinados para meninos e para meninas. Mas a partir da década de 1970 as empresas perceberam que poderiam dobrar o tamanho do mercado ao produzir brinquedos específicos para cada gênero. Sweet acrescenta que a separação do mercado entre meninos e meninas atingiu o nível máximo. Para ter ideia, a linha de princesas da Disney fatura 4 bilhões de por ano, tanto quanto o Mickey.

Continua após a publicidade
Publicidade