Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Diretor da TelexFree propõe fórmula para ressarcir divulgadores

Em vídeo divulgado no último fim de semana, Carlos Costa afirma que pedirá à Justiça que outra empresa assuma as dívidas da TelexFree com seus divulgadores

Por Da Redação - 9 dez 2013, 20h49

Os divulgadores da TelexFree que ficaram a ver navios nos últimos meses, após aplicarem suas economias na empresa, podem ter alguma chance, ainda que remota, de recuperar o dinheiro perdido. A proposta foi feita pelo próprio diretor da empresa, Carlos Costa, por meio de um vídeo publicado no YouTube. A ideia de Costa é propor à Justiça o recurso da sub-rogação, que consiste na autorização para que uma empresa compre as dívidas de outra, enquanto sua operação permanece bloqueada, como é o caso da TelexFree.

Como, segundo a ação pública movida pelo Ministério Público do Acre, os divulgadores da empresa são considerados credores, a proposta pode permitir que recebam o valor investido. Costa deixou claro que apenas os divulgadores que não tiveram qualquer retorno sobre seus investimentos seriam elegíveis a requerer o dinheiro de volta. “São aqueles que não tiveram seus investimentos de volta. Aquela pessoa que entrou na TelexFree através da Ympactus aqui no Brasil, investiu seu dinheiro nas nossas contas VoIP e não teve o retorno do seu dinheiro”, disse Costa.

Leia também:

TelexFree não aceita acordo com Ministério Público do Acre

Publicidade

MPE convoca diretor da TelexFree para audiência de conciliação

O diretor não informou, contudo, que tipo de empresa pode se interessar em comprar a dívida da TelexFree. Numa situação comum, o recurso é usado quando uma determinada empresa tem um prazo determinado para saldar uma dívida e não consegue levantar o dinheiro a tempo. A dívida, então, é paga por uma empresa sub-rogada, que receberá, futuramente, o valor da empresa que não conseguiu honrar com seu compromisso – mediante juros, obviamente. Resta saber quem estará disposto a assumir a dívida da TelexFree, empresa investigada por suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira com mais de um milhão de pessoas.

Leia mais:

TelexFree: como o caso traumatizou uma cidade

Publicidade

Depois de TelexFree e BBom, sobe para 80 número de empresas investigadas

Publicidade