Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Delta e US Airways estudam compra da American Airlines

Firma de investimento TPG Capital também estaria interessada em adquirir companhia aérea, que, afundada em dívidas, recorreu à moratória em novembro

Por Da Redação 13 jan 2012, 02h04

As companhias aéreas americanas Delta e US Airways vêm estudando, separadamente, a possibilidade de adquirir sua concorrente American Airlines, que se declarou em moratória em novembro, assegura nesta quinta-feira o diário The Wall Street Journal. De acordo com o jornal, a firma de investimento TPG Capital seria outra interessada na compra.

Três interessados – Segundo fontes ligadas às companhias, a Delta contratou o grupo Blackstone para receber consultoria financeira enquanto analisa uma potencial oferta de compra pela AMR, a matriz da American Airlines. Por sua parte, o grupo US Airways também solicitou a seus assessores ajuda para estudar uma possível oferta pela AMR, segundo outras fontes citadas pelo diário financeiro.

Após sua fusão com a Northwest Airlines em 2008, a Delta se tornou a maior companhia aérea do mundo – posto arrebatado dois anos mais tarde pela United Continental -, e por causa disso, a aquisição da American Airlines pode encontrar oposição das autoridades.

O jornal The Wall Street Jounal também assegura que a firma de investimento TPG Capital, com experiência na indústria do transporte aéreo, também está estudando uma possível oferta pela American Airlines e inclusive já manifestou aos responsáveis da companhia seu interesse por ela.

Dívida impagável – A American Airlines, que já foi a maior companhia aérea dos Estados Unidos e agora aparece no terceiro posto do setor, pediu concordata em 29 de novembro para reestruturar sua dívida, reduzir seus custos e tentar voltar a ser competitiva. A AMR, matriz da American Airlines, era uma das poucas grandes companhias aéreas dos Estados Unidos que não haviam recorrido ainda ao Capítulo 11 da Lei de Quebras, como fizeram há alguns anos suas rivais Delta, United Airlines (agora United Continental) e US Airways.

O aumento dos custos trabalhistas, o fracasso das negociações com seus pilotos nos últimos meses e o encarecimento do combustível tornaram impagável a enorme dívida da American Airlines, de 29,55 bilhões de dólares, enquanto seus ativos somam 24,72 bilhões.

Leia também: BNDES poderá negociar dívida da American Airlines

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade