Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Déficit comercial dos EUA cai fortemente em fevereiro

WASHINGTON, 12 Abr (Reuters) – O déficit comercial dos Estados Unidos diminuiu inesperadamente em fevereiro, na medida em que as exportações atingiram uma alta recorde, as importações da China e de outros fornecedores importantes recuaram e o volume de importação de petróleo caiu para o nível mais baixo em 15 anos, segundo mostrou um relatório do Departamento do Comércio divulgado nesta quinta-feira.

O déficit comercial mensal encolheu 12,4 por cento, para 46,0 bilhões de dólares, o maior declínio mensal desde maio de 2009. Analistas consultados pela Reuters previam que o déficit tivesse leve queda ante a estimativa revisada de janeiro, de 52,5 bilhões de dólares.

As exportações norte-americanas tiveram leve alta, para um recorde de 181,2 bilhões de dólares, lideradas por exportações recordes de bens de serviços e de capital, como aviação civil e máquinas industriais.

As exportações para o Canadá, o maior parceiro comercial dos Estados Unidos, subiram 7,2 por cento e também cresceram para os 27 países da União Europeia, China, Brasil e países recentemente industrializados. As exportações para a Grã Bretanha atingiram um recorde de 5,3 bilhões de dólares.

As importações caíram 2,7 por cento, para 227,2 bilhões de dólares, a maior queda mensal em três anos.

Importações da Arábia Saudita e outros membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) tombaram 23,3 por cento, uma vez que as importações de petróleo caíram para 226 milhões de barris em fevereiro, o menor nível desde fevereiro de 1997.

O preço médio para petróleo importado teve ligeira queda para 103,63 dólares por barril, mas ainda continua bem acima do preço médio de fevereiro de 2011, de 87,17 dólares.

Importações da China caíram 18,2 por cento e também diminuíram em relação a outros grandes fornecedores, como Canadá e União Europeia.

O déficit comercial dos Estados Unidos com a China encolheu 25,6 por cento, para 19,4 bilhões de dólares, o menor nível em quase um ano.

(Reportagem de Doug Palmer)