Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Debate sobre a Sabesp deve evitar ‘viés ideológico’, diz especialista

Sergio Lazzarini, professor do Insper e autor de 'Privatização Certa', defende um amplo diálogo antes da desestatização da empresa

Por Felipe Mendes
Atualizado em 20 out 2023, 09h49 - Publicado em 20 out 2023, 09h15

Uma das principais promessas do governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos), a desestatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, deve ser concluída ainda este ano. A proposta, que ainda será analisada por parlamentares do estado, prevê que a empresa consiga antecipar para 2029 as metas de universalização do acesso à água e tratamento de esgoto. Fora isso, o texto também projeta uma diluição da participação do governo estadual na companhia, saindo dos atuais 50,3% para cerca de 15%, mas com direito a “golden share”, ação preferencial que dá poder de veto à administração pública.

Especialista em privatizações, o economista Sergio Lazzarini, professor do Insper, recomenda um “amplo debate”, que evite o “viés ideológico”, para se chegar a uma melhor composição na nova companhia. Com atuação elogiável frente a seus pares no setor, a Sabesp é avaliada hoje em mais de 40 bilhões de reais e obteve um lucro líquido de 3,1 bilhões de reais em 2022. Portanto, é um ativo precioso para o governo do estado. Sua proposta de privatização gerou greve e mobilização entre os servidores da companhia, que solicitam um plebiscito que escute a opinião pública sobre o tema — o governador, por sua vez, diz que a privatização foi “decidida nas urnas”.

“Eu não diria que precisa de um plebiscito, mas um diálogo amplo é sempre recomendável. Quanto mais houver debate, menor vai ser a contestação do processo depois”, aponta Lazzarini. “Tem que fazer com calma, com debate e evitando o viés ideológico e preconceitos, como ao dizer que ‘toda estatal é ruim’ para justificar a privatização.”

Autor de livros como “Privatização Certa” (2023) e “Reinventando o Capitalismo de Estado” (2013), ele acredita que, para a eficiência da privatização, seria melhor que o Estado preconizasse ajustes no arcabouço regulatório a manter uma participação minoritária na companhia. “Em empresas privatizadas, manter um canal de influência do governo, ainda que reduzido, pode causar distorções subsequentes, como o uso desse canal para interferir em preços e investimentos para fins políticos”, aponta. “Melhor ter um arcabouço regulatório robusto aplicável a todas as empresas, privatizadas ou não. Isso cria condições uniformes de competição.”

Em 2023, os papéis da Sabesp acumulam alta de 13%, cotados a cerca de 60 reais.  A empresa divulga ter 31.775 acionistas do tipo pessoa física em sua composição na bolsa de valores atualmente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.