Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cristina Kirchner pede reunião do FMI sobre situação argentina

Na sexta-feira, o país tornou-se o primeiro a ser sancionado pela entidade. A razão: maquiar os índices estatísticos

Por Da Redação 2 fev 2013, 08h27

Depois de tornar-se o primeiro país a ser sancionado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) na história do organismo financeiro, a Argentina pediu, na noite de sexta-feira, uma reunião extraordinária do Conselho Executivo da entidade para examinar a política em relação ao país. Antes, o governo de Cristina Kirchner criticou o voto de censura do organismo, que questiona as estatísticas do país.

A diretoria do Fundo emitiu uma moção de censura por causa da maquiagem dos índices estatísticos oficiais, especialmente os números sobre a inflação, elaborados pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), organismo sob intervenção federal desde janeiro de 2007. O governo de Cristina afirmou, em seguida, que a decisão representa “um exemplo de tratamento desigual e duas medidas do organismo em sua relação com certos países membros”.

As regras do FMI estipulam, em seu artigo n.º 8, que todos os países devem apresentar estatísticas confiáveis. Segundo a diretoria do Fundo, o governo da presidente Cristina Kirchner “não fez o suficiente” para melhorar as condições estatísticas. A moção de censura constitui uma espécie de “cartão amarelo”, já que o Fundo exigiu que a Argentina reforme suas estatísticas antes de 29 de setembro. O caso argentino será novamente debatido em 13 de novembro.

Após a “moção de censura”, o FMI poderia aplicar contra a Argentina uma suspensão de sua capacidade de utilizar os recursos gerais do Fundo. Além disso, poderia suspender os direitos de votação da Argentina no Fundo, e, finalmente, a virtual expulsão.

Economistas, empresários, sindicalistas e associações de defesa dos direitos do consumidor criticam o índice oficial de inflação, que tem sido de um terço à metade do cálculo elaborado pelos economistas. A inflação de 2012, segundo o Indec, foi de 10,8%. Mas o cálculo de economistas independentes indica que a inflação do ano passado superou os 25%.

Tensão – A relação da Argentina com o Fundo teve um permanente estado de tensão desde a posse do presidente Néstor Kirchner em 2003. Com frequência Kirchner acusava o FMI de ter sido o responsável pela “decadência econômica” do país. Cristina, ao tomar posse em 2007, ensaiou em algumas ocasiões uma aproximação com o Fundo.

No entanto, seu governo alternou esses acenos ao FMI com duras críticas. Cristina sempre deixa claro que seu governo não aceitará as “receitas” do organismo internacional. A Argentina é o único país do G-20 que não permite que o FMI faça revisões anuais sobre a economia nacional. Há cinco anos o organismo internacional não pode fazer as verificações obrigatórias sobre o país.

(Com agência France-Presse e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)