Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Covid-19: Preço do petróleo dos EUA entra em colapso e fecha no negativo

Capacidade de armazenamento dos estoques nas refinarias americanas está perto do limite, e preços têm maior queda da história

Por Alessandra Kianek Atualizado em 20 abr 2020, 17h43 - Publicado em 20 abr 2020, 10h07

O petróleo viveu um dia histórico no mercado internacional. Com a demanda congelada em todo o mundo, devido ao avanço da pandemia do coronavírus, o barril da commodity do tipo West Texas Intermediate (WTI), referência no mercado americano, entrou em colapso e passou a ser negociado com valores nagativos, pela primeira vez na história. Depois de abrir a segunda-feira, 20, valendo 17,73 dólares, o contrato futuro de maio despencou e fechou negociado a -37,63 dólares o barril, depois de bater na mínima histórica de -40,32 dólares. Apesar de o contrato de maio já não ser o mais negociado e expirar amanhã, o tamanho do tombo carrega um simbolismo importante em meio às projeções recentes de queda da demanda.

Os investidores começaram uma corrida nesta segunda-feira para vender os contratos que vencem amanhã, porque ninguém quer receber a entrega física, já que a capacidade de armazenamento nos Estados Unidos está chegando ao limite, com o congelamento da demanda global. Como todo mundo quer vender, o preço despenca. Embora os contratos com vencimento para junho do WTI também estejam em queda, de 13%, a 21,87 dólares o barril, ainda se mantêm acima do fechamento da semana passada.

Com a queda da demanda global pela commodity, os estoques de petróleo estão chegando ao limite na cidade de Cushing, em Oklahoma, importante centro de armazenamento do mercado petrolífero. Por outro lado, as perdas de petróleo do tipo Brent, negociado em Londres, estavam menores, caindo 7%, para 26,20 dólares por barril. Mesmo após a Opep e seus aliados concordarem com o maior corte de produção de todos os tempos, com o objetivo de conter os preços, as cotações do petróleo continuam caindo. Os investidores não estão convencidos de que os cortes anunciados possam compensar a queda da demanda pela commodity, já que o coronavírus impede a sociedade de funcionar normalmente.

Outro ponto importante é a incerteza em torno da capacidade do armazenamento dos estoques de petróleo. Há relatos de compradores da região do Texas estarem oferecendo apenas 2 dólares por barril em alguns negócios, aumentando a possibilidade de que os produtores possam estar prestes a pagar para que o produto seja retirado de suas mãos. A China anunciou na sexta-feira, 17, a sua primeira contração econômica em décadas – uma indicação do que está por vir em outras grandes economias que ainda precisam emergir dos bloqueios causados ​​pelo coronavírus.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês