Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Confiança da indústria volta a crescer em novembro

Segundo FGV, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) passou de 97,8 para 99 pontos neste mês

Por Da Redação 27 nov 2013, 09h09

Após cinco quedas consecutivas, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) cresceu 1,2% em novembro em relação a outubro, passando de 97,8 para 99 pontos, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quarta-feira. Para a fundação, os dados sugerem que “o período de sucessivas quedas da confiança pode ter ficado para trás”. A FGV espera que a indústria apresente um desempenho no quarto trimestre superior ao terceiro, mesmo reconhecendo que o “ritmo de atividade do setor esteja apenas em transição entre fraco e moderado”.

De acordo com a FGV, o Índice da Situação Atual (ISA), um dos componentes do ICI, avançou 1,8% entre outubro e novembro, aumentando de 98,1 para 99,9 pontos e também interrompendo uma sequência de cinco recuos consecutivos. A maior contribuição para o crescimento do ISA foi o aumento do indicador que avalia o nível de demanda, que subiu 3,8% nesse período e passou para 99 pontos, o maior nível desde junho deste ano.

Segundo a fundação, a proporção de empresas que avaliam o nível de demanda como forte aumentou de 13,3% em outubro para 13,9% em novembro, enquanto a taxa das que a avaliam como fraco recuou de 17,9% para 14,9% no mesmo período.

Leia também:

Confiança da indústria recua 0,2% em outubro

Emprego na indústria tem maior recuo em mais de 4 anos

Continua após a publicidade

Confiança do empresário industrial cresce, mas fica abaixo do ano passado

Já o Índice de Expectativas (IE), que também faz parte do ICI, cresceu pelo segundo mês seguido, aumentando 0,6% em relação a outubro e passando de 97,5 para 98,1 pontos. O maior impacto sobre o IE neste mês veio do indicador de emprego previsto, que avançou 2,6% e passou para 107,1 pontos, o maior patamar desde junho deste ano.

A proporção de empresas que preveem ampliação no total de pessoal ocupado nos três meses seguintes aumentou de 14,8% para 20,6% entre outubro e novembro. A parcela das que preveem diminuição também cresceu, aumentando de 10,4% para 13,%%.

Além disso, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) atingiu o maior nível desde julho, alcançando 84,3% em novembro – no mês anterior, a taxa foi de 84,1%.

A indústria brasileira enfrenta um ano de performance irregular, apresentando dificuldades de firmar recuperação apesar de medidas de estímulo do governo, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em setembro, a produção recuperou-se de dois meses de fraqueza ao avançar 0,7%. Os números de outubro da produção industrial do país serão divulgados pelo IBGE no dia 4 de dezembro.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade