Clique e assine a partir de 9,90/mês

Imigração para o Canadá: conheça o perfil ideal

Morar e trabalhar legalmente no Canadá é o sonho de muitos brasileiros, mas é preciso preencher os requisitos do país para ganhar o visto de residência

Por Teo Cury - Atualizado em 9 fev 2017, 15h28 - Publicado em 8 fev 2017, 16h02

Morar no Canadá é desejo de muitos brasileiros que estão em busca de uma nova empreitada na carreira e que buscam segurança e qualidade de vida em um país desenvolvido. Em 2016, de acordo com o governo canadense, 1.358 brasileiros imigraram para o país. Mas para ter direito ao visto de residência canadense é preciso passar por um processo minucioso de seleção, que classifica os candidatos por pontos de acordo com suas informações.

Após preencher o formulário com seus dados pessoais, habilidades e experiências profissionais e acadêmicas, o candidato vai receber pontos que, ao final do questionário, serão sua “nota” no processo. A pontuação final do candidato vai ranqueá-lo em meio aos milhares de concorrentes. Embora não haja nenhuma garantia, quanto melhor classificado, maiores as chances de ser aprovado.

Apesar de não haver uma metodologia exata para a pontuação, de acordo com o Consulado-Geral do Canadá no Brasil, o nível educacional, idade e proficiência nos idiomas oficiais do país (inglês e francês) do candidato e de sua família – caso se vá acompanhado – são alguns dos itens que têm maior peso na nota.

De acordo com o agente educacional Otávio Gouveia, especialista em imigração canadense, o perfil perfeito é ter entre 20 e 29 anos, pós-graduação, seis ou mais anos de experiência profissional e inglês avançado com nota igual ou superior a 7,5 nos quatro itens do International English Language Testing System (IELTS), um dos mais respeitados exames de proficiência de língua inglesa. “Seguindo a lógica do programa, quanto mais novo e mais experiência o candidato tem, melhor”, conta Eduardo Frigo, gerente de produto da agência de intercâmbios CI, admitindo que um jovem com esse perfil não é algo tão comum.

Continua após a publicidade

De acordo com os especialistas consultados por VEJA, o nível da carreira construída no Brasil não é algo decisivo. “O que importa é a sua qualificação lá. As empresas precisam entender você como um trabalhador que entende o mercado de trabalho canadense”, diz Frigo. É importante ressaltar que o fato de não possuir algumas das características a seguir não impede que o candidato consiga a permissão de residência no país.

caracteristicas-contam-pontos-obter-visto-canada

Educação

Fazer um curso no Canadá é uma das melhores opções para ganhar pontos e conseguir imigrar. “[Quem  escolher essa opção, pode estudar lá] por dois anos e, após a graduação, recebe três anos de visto de trabalho. Se ela a pessoa for casada, o cônjuge também recebe a permissão pelo mesmo tempo. Enquanto se estuda, é possível por meio período (20 horas por semana), e o cônjuge pode trabalhar em período integral desde o primeiro dia de aula do parceiro”, explica Gouveia.

Os estudos acabam sendo determinantes em casos como o de um candidato de nível superior completo, acima de 29 anos que não tenha nível muito alto de inglês ou francês. “O fato de ter estudado dois anos e de ambos terem pelo menos um ano de experiência profissional no Canadá já dá pontos suficientes para suprir o que foi perdido com idade e idioma”, diz Gouveia.

 

Continua após a publicidade

Para quem vai acompanhado, é preciso estar atento também ao perfil do companheiro para a própria classificação. Segundo Gouveia, um cônjuge com bons atributos para imigração faz com que ambos sejam bem avaliados no processo. “Sendo casado com alguém que tenha a mesma faixa etária, nível superior e nível avançado de inglês praticamente garante a aprovação”, avalia o especialista.

Eduardo Frigo ressalta que é preciso ter cuidado com as expectativas profissionais, pois nem sempre é possível se alocar no país no mesmo patamar alcançado no Brasil. “Gerentes e diretores que querem ir para lá e trabalhar na área acham que vão conseguir uma posição semelhante com qualidade de vida semelhante à nossa. Isso não vai acontecer, todos têm de começar de baixo”, indica.

Publicidade