Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Como a Centauro surpreendeu e comprou a Nike no Brasil

Aquisição por R$ 900 mi transforma a Centauro em distribuidora exclusiva dos produtos da Nike no Brasil; lojas e e-commerce também fazem parte do acordo

Por Felipe Mendes Atualizado em 7 fev 2020, 11h01 - Publicado em 7 fev 2020, 10h45

Depois de uma negociação conturbada e cheia de reviravoltas, a Netshoes foi parar nas mãos da Magazine Luiza, frustrando os planos da Centauro, que chegou a apresentar uma proposta, em maio de 2019, avaliada em 108,7 milhões de dólares para adquirir a concorrente do e-commerce de artigos esportivos no país. O tempo passou e o grupo SBF, holding que administra a rede Centauro, voltou a atacar. Nesta quinta-feira, a companhia firmou a aquisição da operação da Nike no Brasil por 900 milhões de reais, surpreendendo o mercado de varejo nacional. Na bolsa, o reflexo foi imediato. A valorização das ações ordinárias da Centauro na B3 foi de 14,69%, para 49,71 reais. Em termos de comparação, o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,72%. Nesta sexta-feira, 7, as ações continuavam subindo: por volta das 10h45, os papéis acumulavam alta de 5,57%, a 52,48 reais. A bolsa operava em queda de 0,40%.

Com dinheiro em caixa após abrir capital na bolsa e captar 772 milhões de reais em sua oferta pública inicial (IPO) na B3 em abril do ano passado, a Centauro viu como oportunidade um movimento que vem afastando grandes players mundiais do país. A complexidade tributária e logística brasileira geralmente afugentam as marcas globais que operam por aqui, e o movimento é sair do país antes que seus artigos se depreciem — como aconteceu com a VF, que controla marcas como a Vans, que saiu no Brasil e depois teve sua operação nacional adquirida pela Arezzo e a rede Outback, colocada à venda pela Bloomin’ Brands, grupo que controla sua operação no país. Além do Brasil, a Nike também vendeu suas operações comerciais na Argentina, no Chile e no Uruguai, para o conglomerado mexicano Axo.

Com a aquisição da Nike, marca presente no imaginário do consumidor brasileiro, a parceria é vista pelo mercado como oportunidade para que a varejista nacional tire boas lições e agregue ainda mais valor a sua marca.

No negócio, a Centauro passa a ter exclusividade na distribuição de itens da Nike. Com 209 unidades em 26 estados – somente o Amapá não detém uma loja da rede –, a Centauro deve utilizar sua capilaridade para maximizar o potencial de entrega dos produtos da Nike no país.  Segundo o CEO do grupo SBF, Pedro Zemel, as operações se manterão apartadas. “As decisões da Nike serão realizadas de forma independente. Entendemos que a independência desses negócios é algo fundamental para a nossa estratégia”, afirma.

Um dos objetivos da empresa é ganhar presença de mercado na internet, canal em que a Adidas é mais bem estruturada, e colocar suas lojas num ecossistema multicanal, que englobe as operações física e digital. Para isso, é provável que a Centauro utilize suas lojas como pontos de retirada de produtos comprados por meio do site da Nike no futuro. “Nós vamos analisar as oportunidades. Seria importante aproveitarmos toda a estrutura que as duas empresas têm de logística e de distribuição”, afirma Zemel. No fim do ano passado, a Centauro fechou uma parceria com a B2W pare vender artigos esportivos no marketplace da Americanas.com, um dos maiores do país, se expandido, assim, no setor de e-commerce nacional.

O acordo entre as empresas permite com que a Centauro assuma a distribuição de produtos como roupas, calçados, acessórios, equipamentos e itens licenciados no país. Mas não só isso. A varejista nacional também passará a operar o e-commerce e as lojas físicas. Hoje, há mais de 30 unidades das bandeiras Nike Store e Nike Factory no Brasil, sendo que alguns pontos de venda são operados em parcerias com redes como Bayard e Authentic Feet. Segundo Zemel, essas parcerias se manterão. “A Nike tem uma estratégia de mercado em que ela trabalha com determinados grupos de produtos em determinados canais, e a gente não antevê mudanças nisso”, diz o executivo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês