Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

China registra o menor crescimento anual em 13 anos

Economia do país avançou 7,8% em 2012, o pior resultado desde 1999. Ainda assim, cresceu 7,9% no quarto trimestre, acima do que esperava o mercado

Por Da Redação 18 jan 2013, 06h30

A economia chinesa cresceu 7,8% em 2012 – o menor resultado anual desde 1999, anunciou nesta sexta-feira o Birô Nacional de Estatísticas da China. No último trimestre do ano, o Produto Interno Bruto (PIB) chinês cresceu 7,9%. O índice está muito abaixo do avanço de 9,3% no mesmo período em 2011 e mais distante ainda dos 10,4% alcançados em 2010. No entanto, ficou acima da alta de 7,5% fixada pelo regime comunista em março do ano passado.O resultado também superou as expectativas do mercado, que esperava crescimento de 7,8%. “Acima de tudo, a economia esteve se estabilizando”, assegurou o governo no comunicado.

O Birô Nacional de Estatísticas assinalou que o arrefecimento do crescimento aconteceu em um contexto de “medo no exterior e aflição doméstica”, em referência à crise de dívida ainda vigente na Europa e nos Estados Unidos e seu consequente efeito na China. Quase de forma simultânea, a instituição informou que o PIB cresceu 7,9% no último trimestre do ano, impulsionado pelas medidas de estímulo do governo, o que pôs fim à tendência de declive dos sete trimestres anteriores. Em 2012, o PIB da China alcançou 51,93 trilhões de iuanes (8,28 trilhões de dólares).

Leia também:

China quer acelerar investimentos em infraestrutura

Indústria e imóveis – A China também anunciou, entre outros dados, os números da sua produção industrial, que desacelerou seu crescimento para 10% em 2012, 3,9 pontos porcentuais abaixo do índice alcançado no ano anterior. Além disso, as vendas a varejo registraram alta de 15,2% em dezembro, em contraste com os 14,9% de novembro. No balanço final de 2012, o aumento foi de 14,3% em 2012, mesmo assim 2,8 pontos porcentuais abaixo de 2011.

Já o investimento chinês no setor imobiliário aumentou 16,2% em 2012 com relação ao ano anterior, apesar da campanha do governo para desinflar a bolha imobiliária. O setor é o mais importante da economia chinesa, já que representa mais de 10% do cômputo total do PIB.

Mercado – Os mercados de ações asiáticos fecharam em alta, reagindo positivamente aos dados do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China. O resultado dos meses de outubro a dezembro indica a primeira expansão trimestral da economia chinesa na comparação anual desde o quarto trimestre de 2010, apoiando a visão de que o maior país da Ásia está se recuperando de sua desaceleração de dois anos.

Continua após a publicidade

Na China, o índice Xangai Composto subiu 1,4%, para 2.317,07, e o índice Shenzhen Composto avançou 1,5%, para 935,70 pontos. Durante a semana, o índice Xangai Composto apresentou o melhor desempenho da região, acumulando ganhos de 3,3%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 1,1%, para 23.601,78, próximo ao maior nível em 20 meses. As ações das empresas chinesas listadas em Hong Kong se destacaram durante o pregão. As indústrias petrolíferas PetroChina, Sinopec e Cnooc avançaram 2,0%, 2,3% e 2,2%, respectivamente. Já as incorporadoras da China continental se recuperaram, após uma queda na quinta-feira. A China Overseas Land fechou em alta de 0,8% e a China Resources Land apresentou ganho de 2,7%. Por outro lado, a Evergrande recuou 0,5%. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, subiu 0,3%, para 4.771,20 pontos, após os dados chineses. A mineradora Rio Tinto avançou 2,7%, uma vez que o mercado recebeu bem a notícia sobre a saída de Tom Albanese, como executivo-chefe da empresa, levando à especulação de que a empresa não vai realizar mais aquisições caras.

O índice Kospi da Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em alta de 0,7%, a 1.987,85 pontos. Segundo analistas, a recuperação foi liderada pela Samsung Electronics e por as ações de empresas do setor financeiro. O KB Financial Group avançou 1,42%, a Woori Finance Holdings fechou com alta de 3,8% e a Samsung Life Insurance subiu 5,5%. A Samsung Electronics apresentou ganho de 0,8%. O índice Taiwan Weighted da Bolsa de Taipé, em Taiwan, terminou o pregão em alta de 1,5%, a 7.732,87 pontos, uma vez que os investidores estão dispostos a assumir mais riscos após a divulgação de dados econômicos da China. A TSMC liderou os ganhos, avançando 2,2%, tendo em vista que o mercado espera outro ano forte impulsionado pelo crescimento de vendas de chips para dispositivos móveis. A TSMC anunciou um recorde de lucro líquido em 2012.

As ações na Bolsa de Manila, nas Filipinas, também foram estimuladas pela China. Com alto volume de operações, o índice PSEi avançou 1,1%, para 6.139,21 pontos.

Saiba mais:

Déficit fiscal da China será maior em 2013

(Com agências EFE, Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês