Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caixa entra na disputa por ativos da OSX

Banco pede que seja revogada a determinação de arresto de dois navios-plataforma da empresa, que seriam usados para o pagamento de credores

Por Da Redação 8 out 2014, 12h02

A Caixa Econômica Federal enviou uma solicitação ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro pedindo a revogação da medida cautelar que determinou, na semana passada, o arresto de dois navios plataforma da OSX, empresa naval de Eike Batista. Os ativos seriam usados para o pagamento de credores, como previsto no plano de recuperação judicial da companhia. Conforme o jornal O Globo, a decisão da Justiça atendeu à demanda da empreiteira espanhola Acciona, como garantia ao pagamento de uma dívida de 300 milhões de reais.

A Caixa tem 1,1 bilhão de reais em créditos de uma dívida total da OSX avaliada em 4,2 bilhões de reais. O banco alega que a medida imposta à empresa de Eike é “excessiva” e extrapola o valor em crédito, causado prejuízo às chances de recuperação do grupo e demais credores. A Caixa ainda fez outro pedido, em caso de o pedido não ser aceito. A instituição financeira solicita contar com a mesma garantia dada à Acciona, ou seja, a extensão da medida cautelar de bloqueio das plataformas.

O plano de recuperação judicial da OSX prevê que o ativos, avaliados em 3,5 bilhões de reais, sejam vendidos para pagar as dívidas.

Nesta terça-feira, a juíza Daniela Reetz de Paiva, da 39ª Vara Cível do TJ-RJ, determinou que a Acciona tome uma posição sobre o pedido da Caixa, declarando no prazo de dez dias se aceita a vinculação do banco â companhia.

Leia mais:

Procuradora do caso Eike teme que empresário fuja do país

Continua após a publicidade

MP denuncia Eike por falsidade ideológica, formação de quadrilha e indução de investidores a erro

CVM acusa Eike e executivos de lucrar com informação manipulada na Bolsa

Eike virou réu em mais um processo que apura uso de informação privilegiada na negociação de ações de suas empresas, ou insider trading, no jargão do mercado financeiro. Agora ele será formalmente investigado por lucrar indevidamente em operações com ações da OSX.

Na segunda-feira, a Justiça Federal do Rio de Janeiro já havia acatado denúncia de crime semelhante, porém, envolvendo ações da OGX. Tanto a OSX quanto a OGX entraram com pedido de recuperação judicial no ano passado. No caso da OSX, o ex-bilionário é investigado por vender ações antes da queda de preços, evitando perdas de 8,7 milhões de reais.

Continua após a publicidade

Publicidade