Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Caderneta de poupança bate renda fixa com nova Selic

Fundos ganham da caderneta quando possuem taxas de administração anuais mais baixas — de 0,50%, 1% com resgate após seis meses ou 1,5% no longo prazo

Por Da Redação
16 jan 2014, 13h36

A elevação em 0,50 ponto porcentual da taxa básica de juros (Selic) – para 10,50% ao ano – retomou a atratividade da poupança frente à maioria dos fundos de renda fixa.

Segundo estudo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os fundos só ganham da caderneta quando possuem taxas de administração anuais mais baixas – 0,50%, 1% com resgate após seis meses ou 1,5% no longo prazo. A partir de 2%, a poupança tem maior rentabilidade do que os fundos, independentemente do prazo de resgate.

“Pelo fato de não ter incidência do Imposto de Renda nem taxa de administração, a poupança só deixa de ser interessante em fundos com taxas muito baixas, aos quais têm acesso apenas investidores de grande porte, que aplicam a partir de 50 mil reais”, explica Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor de Estudos Econômicos da Anefac. O investidor comum, segundo ele, costuma obter taxas a partir de 2,5% ao ano.

A caderneta havia perdido parte de sua atratividade na última elevação da Selic, em novembro do ano passado, que aumentara a taxa básica de juros para 10% ao ano – o que conferiu novo fôlego à renda fixa.

Leia mais:

IPCA fecha 2013 a 5,91%, acima do esperado

Nelson Barbosa: ‘governo precisa melhorar comunicação com o mercado’

​Poupança é mais vantajosa que renda fixa mesmo com Selic a 10%

“A retomada da poupança ocorreu por causa do aumento da Taxa Referencial, que está atrelada à quantidade de dias úteis de cada mês”, explica Oliveira. “Janeiro tem mais dias úteis do que o mês de dezembro. Quanto mais dias úteis, maior a TR, o que influencia no rendimento da poupança.”

Continua após a publicidade

Na simulação da Anefac, com o novo patamar da Selic, a poupança rende 0,59% ao mês e 7,31% ao ano (6,17% mais a Taxa Referencial). Assim, um investimento de 10 mil reais vai valer, ao fim de um ano, 10.731 reais. A mesma aplicação em um fundo com taxa de 1,5% pagaria menos ao investidor, totalizando 10.706 reais.

Para Oliveira, novas altas da Selic, no entanto, devem conferir mais atratividade aos fundos frente à caderneta. “De qualquer forma, a tendência este ano é que a poupança ganhe da inflação, pois vai render acima de 7%”, diz.

No fim de agosto do ano passado, a Selic chegou a 9% ao ano, igualando os rendimentos das poupanças antiga e nova. Com a Selic maior do que 8,5%, ambas as cadernetas rendem 0,50% ao mês (6,17% ao ano) mais a variação da Taxa Referencial (TR).

Em 2013, apesar de ter tido captação líquida recorde, de 71 bilhões de reais, o rendimento da nova caderneta ficou em 5,67% – abaixo da inflação oficial, o IPCA, que foi de 5,91%.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.