Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Britânico quer escavar lixão para reaver R$ 276 mi em bitcoins

Técnico em informática jogou fora, por engano, parte de computador em que estavam armazenadas suas moedas virtuais

Por Da redação
Atualizado em 5 dez 2017, 16h58 - Publicado em 5 dez 2017, 13h04

Um técnico de informática britânico planeja escavar um aterro sanitário para recuperar um disco rígido de computador que contém o equivalente a 276,6 milhões de reais em bitcoins. O equipamento foi jogado fora por engano há quatro anos. Com o aumento astronômico da cotação da moeda virtual nos últimos tempos, a fortuna guardada nele aumentou consideravelmente.

Segundo jornais britânicos, James Howells diz que começou a juntar bitcoins em 2009 — o mesmo ano em que a tecnologia surgiu. Ele obteve cerca de 7.500 unidades da moeda virtual ao rodar programas em seu laptop que resolvem problemas matemáticos  complexos — processo conhecido como “mineração”. Naquela época, a cotação da moeda virtual era de frações de centavos.

Mas a máquina acabou sendo desmanchada e os componentes foram vendidos no site de leilões eBay. Howells, porém, guardou em uma gaveta o HD onde estavam armazenados arquivos que o identificam como dono dos bitcoins (a chamada “carteira”). Ocorre que a peça foi jogada no lixo, por engano, durante uma faxina em 2013.

Os  bitcoins de Howells estão presentes atualmente na rede mas, sem a identificação, ninguém consegue fazer transação alguma com eles. Como o bitcoin é um sistema anônimo e sem controle central, não é possível creditar a quantia a alguém sem as chaves.

Continua após a publicidade

Altamente volátil, a cotação do bitcoin disparou no último ano e se valorizou mais de catorze vezes. O preço passou de 754 dólares (2.432 reais) para 1.422 dólares (36.842 reais) no período, segundo índice divulgado pela Bolsa de Nova York.

Desafio

Howells estima que o desafio é grande, por causa do custo, da complexidade da engenharia envolvida em aterros sanitários e de riscos como liberação de gases e explosão. A ideia é juntar dinheiro necessário ao projeto junto a investidores. “Esperamos que o processo leve algo entre três e doze meses, e seria financiado por investidores privados que então ganhariam uma parcela dos bitcoins do HD, quando ele for encontrado”, disse, por e-mail, à reportagem de VEJA.

O técnico em informática acredita que, se a moeda virtual continuar se valorizando, aumentará o apelo para que o conselho municipal o autorize a realizar o projeto. “Quanto mais o valor sobe, mais eu tenho chance de recuperá-lo, então tem sido um jogo de espera nos últimos anos… esperar até que o preço do bitcoin seja alto o suficiente para que o HD seja um tesouro atraente o bastante para ser caçado”, disse ao The Telegraph.

Ele mora na cidade de Newport, no País de Gales.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.