Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil e México fecham acordo para impulsionar comércio de cachaça e tequila

Tratado garante a proteção recíproca da cachaça e da tequila como produtos de origem do Brasil e do México, respectivamente

Os governos de Brasil e México anunciaram o fechamento de um acordo para fomentar o comércio da cachaça e da tequila. O acordo “garante a proteção recíproca da cachaça e da tequila como indicações geográficas do Brasil e do México, respectivamente, protegendo esses produtos da concorrência desleal de outros que pretendam se beneficiar indevidamente da reputação” dessas bebidas nacionais, destacou a Secretaria de Economia do México, em comunicado.

Além disso, o acordo também aborda questões técnicas que poderiam “dificultar o comércio bilateral desses dois produtos através do reconhecimento das legislações correspondentes de ambos os países”.

O tratado contempla o estabelecimento de um grupo de trabalho para abordar temas como a presença de produtos que utilizem de maneira equivocada as denominações cachaça e tequila e produtos apócrifos nos mercados brasileiro e mexicano, respectivamente.

As negociações foram concluídas nesta segunda-feira durante a 3ª Comissão Binacional México-Brasil, que acontece na Cidade do México, pelo secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo, e pelos ministros brasileiros de Relações Exteriores, Mauro Vieira, e de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro.

A assinatura e a entrada em vigor do tratado será feita conforme os procedimentos legais previstos nos dois países, segundo o comunicado.

Para o Ministério da Economia do México, o acordo representa a consolidação das relações entre as duas principais economias latino-americanas, que foram impulsionadas após a assinatura em maio de 2015 de convênios em matéria comercial, de turismo e meio ambiente, entre outros.

Leia mais:

Prévia da inflação é a maior para fevereiro em 13 anos, diz IBGE

PAC deixa de ser vitrine do governo e recua para o nível de gastos de 2009

(Com agência EFE)