Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Brasil apoia nigeriana para Bird e nega mais recursos ao FMI

Mantega anunciou apoio brasileiro à ministra da Fazenda da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala

Por Da Redação 16 abr 2012, 13h38

O Brasil vai apoiar a ministra da Fazenda da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala, na disputa pelo comando do Banco Mundial (Bird, na sigla em inglês), anunciou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta segunda-feira.

Ele aproveitou ainda para adiantar que o governo não fará aporte adicional ao Fundo Monetário Internacional (FMI) se as reformas nas duas instituições não avançarem, num duro recado aos países ricos, que comandam os organismos internacionais há décadas.

“Não vamos contribuir e colocar recursos adicionais (no FMI) caso não haja firme comprometimento para levar adiante as reformas”, afirmou Mantega, acrescentando que os países emergentes exigem representatividade maior para poder participar das decisões dos órgãos. “Queremos participação efetiva e influenciar nas decisões. Como vai atuar, para quem vai emprestar dinheiro, como vai combater a pobreza.”

A eleição para a chefia do Bird deve ocorrer nesta segunda-feira. A ministra nigeriana concorre ao posto maior com o americano-coreano Jim Yong Kim, especialista em saúde e apoiado pelos Estados Unidos e, por isso, apontado como favorito.

Mantega afirmou que o governo decidiu não apoiar Kim por não ter visto comprometimento dele com as reformas. “Não senti um comprometimento firme do candidato dos Estados Unidos em levar adiante as reformas de vozes e de votos no Banco Mundial”, disse. Na semana passada, o ex-ministro colombiano das Finanças José Antonio Ocampo, em comum acordo com países emergentes e em desenvolvimento, retirou sua candidatura à presidência do Bird.

Mantega afirmou ainda que os países do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul – não chegaram a um consenso sobre a indicação de um candidato para a presidência do Bird, mas que ainda existe a avaliação conjunta de que são necessárias reformas nesses organismos.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês