Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Bolsonaro diz que empresas trocarão Argentina pelo Brasil e apaga post

Segundo o presidente, Honda, L'Óreal e a a fábrica de motores MWM trocarão suas fábricas no país vizinho por produção local

Por da Redação - Atualizado em 6 nov 2019, 13h42 - Publicado em 6 nov 2019, 11h04

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 6, em publicação no Twitter, que as multinacionais Honda e L’Óreal decidiram trocar instalações na Argentina pelo Brasil, citando uma “nova confiabilidade do investidor” no país que ajudará a criar novos empregos. Cerca de uma hora depois, a postagem foi apagada.

Além de Honda e L’Oreal, Bolsonaro afirmou que a fabricante norte-americana de motores MWM também decidiu trocar a Argentina, que nos últimos anos tem passado por crise econômica, pelo Brasil.

“MWM, fábrica de motores americanos, a Honda, gigante de automóveis, e a L’Óreal, anunciaram o fechamento de suas fábricas na Argentina e instalação no Brasil. A nova confiabilidade do investidor vem para gerar mais empregos e maior giro econômico em nosso país”, publicou Bolsonaro no Twitter.

 

Publicidade
twitter Bolsonaro Presidente afirma que multinacionais estão deixando a Argentina para vir ao Brasil

Presidente afirma que multinacionais estão deixando a Argentina para vir ao Brasil reprodução/Twitter

Em nota, a L’oreal informou que sua produção na Argentina em parceria com um fabricante local “e não há planos de mudar isso”. Segundo a empresa, o fechamento de fábrica na Argentina para a produção no Brasil é uma notícia antiga, de 2001, que voltou a ser compartilhada nas redes sociais. 

A Honda anunciou em agosto que vai parar de produzir automóveis em sua fábrica na Argentina a partir de 2020, focando a unidade local apenas em montagem de motocicletas. A empresa disse que não há nenhum projeto para fechar a fábrica argentina e que não comenta as declarações de Bolsonaro.

A fábrica de motores MWM havia anunciado em setembro o fechamento de sua fábrica em Córdoba em setembro devido a crise econômica no país. A produção será absorvida pela fábrica de São Paulo. A assistência técnica e a distribuição de peças de reposição serão mantidas no país vizinho. 

 

Publicidade
Publicidade