Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolsonaro anuncia reajuste de 33% para professores da educação básica

Nas redes sociais, presidente celebrou aumento para a categoria; reajuste gerou pressão de prefeitos e governadores

Por Victor Irajá Atualizado em 27 jan 2022, 21h39 - Publicado em 27 jan 2022, 13h04

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, nesta quinta-feira, 27, pelo Twitter, que o governo federal concederá reajuste de 33,2% ao piso dos salários de professores. “Mais de 1,7 milhão de professores, dos Estados e Municípios, que lecionam para mais de 38 milhões de alunos nas escolas públicas serão beneficiados”, escreveu o presidente. Com isso, o salário piso dos professores deverá ir de 2.886 reais para cerca de 3.800 reais.

A decisão de Bolsonaro opôs governo federal a governadores e prefeitos, que afirmam que esse aumento irá pressionar as suas contas. O custo para estados e cidades com esse aumento será na casa de 30 bilhões de reais neste ano, de acordo com cálculos da Confederação Nacional de Municípios. A decisão de Bolsonaro contraria também uma recomendação do Ministério da Economia, que tinha sugerido um reajuste menor. Na véspera, o presidente havia afirmado para apoiadores que concederia o reajuste máximo. “Eu vou seguir a lei. Governadores não querem os 33%, tá? Eu vou dar o máximo que a lei permite, que é próximo disso”, afirmou.

A lei atual vincula o reajuste dos ganhos mínimos dos professores à variação do valor por aluno do Fundeb, principal mecanismo de financiamento da educação básica. Assim, o reajuste para 2022 fica em 33,2%, o que foi autorizado por Bolsonaro.

Orçamento

A decisão de Bolsonaro vem na esteira de críticas em torno do corte no Orçamento do Ministério da Educação, de 802,6 milhões de reais na consolidação do texto.

Foco de discussão entre o presidente e o ministro da Economia, Paulo Guedes, 1,7 bilhão de reais do Orçamento foram separados para o aumento de servidores — principalmente de categorias cujo alinhamento com o governo é mais presente. No Palácio do Planalto, comenta-se que o presidente fazia pressão para conceder um aumento de 10% para todos os servidores, ao custo de 30 bilhões de reais, e encontrava resistência em Guedes. “Um reajuste generalizado hoje é uma falta de compromisso com o combate à inflação, com a responsabilidade fiscal, com as futuras gerações”, ressaltou ele ao presidente.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês