Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas fecham semana em alta, de olho em ajuda à Grécia

Por Gabriel Bueno

Londres – Os principais índices das bolsas europeias fecharam em alta nesta sexta-feira, com certo otimismo de que um segundo pacote de ajuda para a Grécia possa ser aprovado na segunda-feira. Indicadores um pouco abaixo do esperado dos EUA, porém, limitaram os ganhos.

O índice pan-europeu Stoxx 600 teve alta de 0,61%, ou 1,62 ponto, e fechou em 265,93 pontos. Na semana, o Stoxx 600 teve variação positiva de 1,80%.

A alta também foi impulsionada pela notícia de que o Banco Central Europeu (BCE) trocou os bônus gregos que possui por títulos novos, de forma a se proteger contra perdas vindas da renegociação da dívida da Grécia.

O porta-voz do Ministério das Finanças alemão, Martin Kotthaus, disse que os ministros das Finanças da zona do euro (Eurogrupo) estão mais perto de uma decisão sobre o segundo pacote de ajuda à Grécia. Ele ponderou, porém, que alguns detalhes ainda precisam ser esclarecidos. O porta-voz afirmou que é muito cedo para saber qual será a decisão.

Nos EUA, o índice de indicadores antecedentes do Conference Board avançou 0,4% em janeiro, pior que a alta prevista de 0,5% por economistas ouvidos pela Dow Jones. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,2% em janeiro ante dezembro, quando a previsão dos analistas era de alta de 0,3%. O núcleo do CPI avançou 0,2%, como previsto.

Entre os maiores ganhos do dia na Europa, Aker Solutions disparou 18%, após informar sobre um aumento de 20% em seu lucro, puxado pela atividade forte nos setores de petróleo e gás. Em Atenas, o índice ASE subiu 5%, com National Bank of Greece avançando 10% e Piraeus Bank subindo mais de 14%.

Em Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 0,33%, ou 5.905,07 pontos, e na semana registrou alta de 0,90%. Fiona Cinotta, analista de mercado da City Index, notou que os volumes estiveram fracos entre as ações que formam o FTSE 100, sugerindo que ainda há cautela entre os investidores. As ações do setor de recursos naturais se saíram bem, entre elas Anglo American (+1,4%), que informou sobre queda de 6% em seu lucro, mas afirmou que sua perspectiva de lucro em prazos mais longos segue forte. Randgold Resources avançou 1,9%, Xstrata ganhou 2% e Vedanta subiu 5%.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 teve alta de 1,37%, para 3.439,62 pontos, e na semana subiu 1,97%. Lafarge teve o melhor desempenho, subindo 8,3% após informar que continuará reduzindo sua dívida. Saint-Gobain ganhou 5,1%, depois de divulgar resultados melhores que o esperado relativos ao ano de 2011. Air Liquide recuou 2,8%, com resultados “ligeiramente desapontadores”, segundo um corretor. Société Générale subiu 6,5%, Crédit Agricole ganhou 4,7% e BNP Paribas subiu 2,9%.

Em Frankfurt, o índice DAX teve alta de 1,42%, para 6.848,03 pontos, e na semana avançou 2,32%. HeidelbergCement teve alta de 6,8%, após suas rivais no setor de materiais de construção Lafarge e Saint-Gobain divulgarem perspectivas otimistas. Metro e Infineon subiram 3,5% cada.

O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, teve alta de 1,08%, para 16.547,21 pontos. Pirelli subiu 6%, após o preço da ação passar do nível técnico de 8 euros. Atlantia avançou 4%, após dados preliminares mostrarem que o Ebitda da empresa subiu 5% em 2011.

Em Madri, o índice Ibex 35 teve alta de 1,16%, para 8.657,00 pontos, mas na semana teve queda de 1,59%. Santander subiu 2% e BBVA avançou 1,5%. Os bancos menores seguiram pressionados, após a Espanha acabar com a proibição de vendas a descoberto esta semana, com Banco Popular caindo 1,6% e Bankia perdendo 0,6%. Indra e OHL subiram 4,8% e 3,3%, respectivamente. Em Lisboa, o índice PSI 20 avançou 0,20%, para 5.616,02 pontos, e na semana perdeu 0,08%. Banco Espírito Santo (+5,52%) e Banif (+1,21%) estiveram entre as altas. As informações são da Dow Jones.