Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Boeing negocia compra da Embraer; ação da empresa dispara

Segundo o 'Wall Street Journal', as conversas estão interrompidas à espera de posicionamento do governo brasileiro; papéis subiram mais de 22% na bolsa

Por Da redação Atualizado em 21 dez 2017, 18h45 - Publicado em 21 dez 2017, 16h19

A americana Boeing negocia com a Embraer a compra da empresa brasileira. As informações vieram a público em matéria Wall Street Journal divulgada na tarde desta quinta-feira, e as empresas confirmaram posteriormente que discutem a união de seus negócios.

A notícia da publicação americana, que cita como fontes pessoas familiarizadas ao assunto, fez as ações da empresa dispararem. O papel havia se valorizado em 22,5% na bolsa de valores de São Paulo ao encerramento do pregão. O Ibovespa subiu 2,41%, aos 75.133 pontos no mesmo horário.

  • Segundo o WSJ, o acordo permitiria à Boeing acessar o mercado de jatos regionais e ofereceria um bônus alto pelo fechamento do negócio. As conversas entre as duas empresas estariam suspensas, esperando resposta de consultas feitas a autoridades brasileiras. O acordo seria uma forma de fazer frente à parceria entre a Airbus e a Bombardier, anunciada em outubro deste ano.

    Enquanto a fabricante francesa é rival da Boeing em aeronaves de grande porte, a empresa canadense compete com a Embraer nos segmentos de aviação regional e executiva.

    A Embraer é uma empresa de capital aberto, mas a União Federal detém ações com poder de dar a palavra final em decisões estratégicas, mesmo sem ser acionista controlador – a chamada golden share.

    Após a notícia, as empresas divulgaram comunicado ao mercado confirmando a negociação para possível combinação dos seus negócios. Mas disseram que não há garantia de qualquer transação que possa resultar desse processo, e que não darão mais detalhes sobre o assunto. “Qualquer transação estará sujeita à aprovação do Governo Brasileiro e dos órgãos reguladores, dos conselhos de administração das duas companhias e dos acionistas da Embraer”, diz trecho da nota.

    Continua após a publicidade
    Publicidade