Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BNDES vê operação entre Oi e Portugal Telecom como positiva

Banco de fomente disse, porém, que quer analisar o acordo antes de emitir um posicionamento sobre a transação.

Por Da Redação 2 out 2013, 18h04

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) disse nesta quarta-feira que vai analisar a transação proposta para a fusão das empresas Oi e Portugal Telecom para só depois se posicionar. Mesmo assim, adiantou que vê a operação como “positiva”.

Por meio da BNDESPar, empresa de participações do banco, a instituição detém 1,46% do capital social direto da Oi e 13,07% da Telemar Participações, subsidiária da Oi SA e que, por sua vez, responde por 19% do capital total da companhia brasileira.

Em nota, o BNDES destacou que a iniciativa consolida a internacionalização da Oi e o aumento de capital proposto aumentará a capacidade financeira e de investimento do grupo. “A almejada escala global e uma estrutura societária simplificada e com melhor padrão de governança devem fortalecer a empresa para enfrentar os desafios presentes em seu setor de atuação”, disse o banco de fomento.

Leia mais:

Fusão entre Oi e Portugal Telecom cria gigante de R$ 40 bi

Continua após a publicidade

Nova empresa estará entre as maiores do mundo, diz presidente da Oi e Portugal Telecom

Deputado do PT oferece “honorários” a conselheiro da Anatel para atuar a favor da Oi

​Nesta terça-feira a Oi e a Portugal Telecom anunciaram a fusão de suas operações, criando a CorpCo (nome temporário), multinacional com faturamento de 40 bilhões de reais, mas de 100 milhões de clientes e 30 mil funcionários. O anúncio ocorre pouco tempo após a Oi ter feito grande corte em sua política de dividendos, pressionada por uma dívida líquida de quase 30 bilhões de reais e pela necessidade de acelerar os investimentos no país.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, também comentou nesta quarta-feira que a fusão será positiva para o país e que não vê problemas de concorrência para os consumidores. Para ele, “a consolidação de uma estratégia que já vinha se desenhando.”

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês