Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

BNDES reduz para 50% a participação em financiamentos de energia

Para leilões de transmissão do ano passado, o banco de fomento financiava até 90% do valor para empresas

Por Da Redação 8 jan 2015, 20h10

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) reduziu para 50% o limite para participação máxima do banco no financimento de projetos de transmissão de energia que poderão ser licitados no leilão marcado para sexta-feira, informou a instituição financeira nesta quinta-feira. Para os leilões de transmissão do ano passado, o banco de fomento financiava até 90% do valor dos itens para médias e grandes empresas e entes da administração pública; e até 70% para as demais empresas, Estados e Municípios.

A remuneração do BNDES também foi elevada em 0,2 ponto percentual, para 1,2% ao ano. O custo financeiro é a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que sofreu elevação de 0,5 ponto percentual, para 5,5%, conforme já divulgado no fim do ano passado. A remuneração de risco está mantida em até 2,87% ao ano.

Leia mais:

Governo derruba ‘à força’ teto do preço da energia no curto prazo

Consumo de energia sobe 2,4% no ano até novembro

Continua após a publicidade

De saída, Lobão diz que consumidor terá conta de luz mais cara

O leilão de transmissão de energia terá quatro lotes de empreendimentos, no total de 905 quilômetros de linhas, com investimentos de cerca 1,7 bilhão de reais. O mercado espera que os investidores sejam mais cautelosos nesse leilão, diante da maior percepção de risco, num cenário de taxa de retorno considerada apertada para novos investimentos.

A Eletrobras, uma das principais investidoras do setor, já demonstrou cautela ao declarar que ficará de fora do leilão enquanto guarda fôlego para disputar projetos de maior interesse no futuro.

Em dezembro, o BNDES anunciou uma nova política operacional, reduzindo a participação e a parcela financiada por meio da TJLP. O setor de infraestrutura é considerado prioritário para obtenção de financiamentos no banco de fomento.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade