Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Biden defende baixa no nível de desemprego, apesar de alta nos auxílios

Embora sejam registrados aumentos recentes nos pedidos de auxílio-desemprego no país, as reivindicações somadas estão em níveis de pré-pandemia.

Por Renan Monteiro Atualizado em 23 jun 2022, 11h49 - Publicado em 19 Maio 2022, 12h59

O Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulgou nesta quinta, 19, relatório que constata o aumento consecutivos de três semanas nas solicitações de seguro desemprego no país. Na semana passada os pedidos chegaram a 218.000, um aumento de 21.000 do nível revisado da semana anterior. 

Porém, apesar dos aumentos recentes, as reivindicações somadas estão em níveis de pré-pandemia. O número da semana passada correspondeu à média de 2019, por exemplo. Em comunicado oficial nesta manhã, o presidente Biden mencionou o número em contextos gerais e destacou que o nível de auxílios concedidos é o mais baixo em mais de 50 anos. “Hoje, a porcentagem de pessoas que recebem seguro-desemprego caiu abaixo de 1% pela primeira vez desde 1969. Esse progresso histórico é o resultado de meu plano econômico para fazer a economia crescer (…) agora, combater a inflação é minha principal prioridade econômica”, diz.

Nos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI) fechou em aumento de 8,3% no período de 12 meses, com alta de 0,3% em abril. A inflação é foco das políticas governamentais porque está muito próxima do maior patamar desde dezembro de 1981, isto é, 8,5%. O nível de preços no país teve uma leve desaceleração em relação ao mês anterior. Em março, o avanço havia sido de 1,2%. 

Desemprego

Os EUA criaram 428.000 empregos em abril e a taxa de desemprego permaneceu em 3,6%, bem próxima da baixa de meio século de 3,5% alcançada no início de 2020, antes da disparada da pandemia. Em contrapartida, houve cerca de 11,5 milhões de vagas de emprego em março, duas vagas para cada desempregado no país. Em um movimento histórico de melhores condições de trabalho e remuneração, o número de trabalhadores abandonando seus empregos passou dos 4,5 milhões.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)