Clique e assine com até 92% de desconto

BB, Caixa, Bradesco, Itaú e Santander devem participar de mutirão do BC

Programa de renegociação de dívidas deve acontecer entre os dias 2 e 6 de dezembro; ao menos 261 agências ficarão abertas até às 20h

Por da Redação 21 nov 2019, 14h55

O Banco Central e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) anunciaram nesta quinta-feira, 21, um acordo para a realização de um mutirão de renegociação de dívidas bancárias. Pelo menos seis bancos devem participar da ação, entre os dias 2 e 6 de dezembro. 261 agências bancárias devem ficar abertas até às 20h em todas as capitais do país para a renegociação.

Segundo a Febraban, Banco do Brasil, Banrisul, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander devem participar da ação. Na véspera, o presidente do BC, Roberto Campos Netto, havia anunciado o mutirão em audiência na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional. 

O diretor de Autorregulação e Relações com Clientes da Febraban, Amaury Oliva, destacou que não há padronização de descontos ou condições de parcelamento e que os bancos ficarão livres para realizar as renegociações de acordo com seus termos. Ele ponderou, no entanto, esperar “descontos especiais” na semana.

  • As agências que trabalharão em horário estendido serão divulgadas na próxima segunda-feira no portal da Febraban. Além da renegociação nas agências, o consumidor também poderá recorrer aos canais digitais dos bancos e à plataforma do consumidor.gov.br.

    Questionados, Febraban e BC não souberam mensurar quantas pessoas serão atendidas ou quanto em dívida será negociado. “Não planejamos uma meta, depende do interesse do cidadão e do consumidor de procurar o banco. Esperamos que adesão seja grande porque os bancos estão propiciando condições necessárias”, afirmou o chefe do Departamento de Promoção e Cidadania Financeira do Banco Central, Luis Gustavo Mansur.

    Além do mutirão, o acordo de cooperação técnica entre BC e Febraban prevê outras três medidas: a criação de uma plataforma que, além de conteúdo educacional, irá medir a saúde financeira dos cidadãos; uma premiação para incentivar ações de educação financeira; e uma semana de Estratégia Nacional de Educação Financeira, em maio, em que tradicionalmente também há um mutirão para renegociação de dívidas.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade