Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Barril do Texas fecha em baixa de 2,44%

Nova York, 4 abr (EFE).- O barril do petróleo do Texas fechou em baixa nesta quarta-feira de 2,44%, cotado a US$ 101,47, depois de as reservas de petróleo dos Estados Unidos quintuplicarem na semana passada.

No fim da terceira sessão da semana na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de futuros do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) para entrega em maio recuaram US$ 2,54 na comparação com terça-feira.

O ‘ouro negro’ chegou assim ao valor mais baixo ao fim do dia em sete semanas, quando fechou a US$ 100,74 o barril em 14 de fevereiro.

A cotação do petróleo de referência para os Estados Unidos foi pressionada nesta quarta-feira para baixo pelo dado sobre as reservas no país, que na semana passada foram acrescidas em 9 milhões de barris, para 363,4 milhões de barris, informou o Departamento de Energia.

Contribuiu ainda o barateamento dos futuros do WTI, que em março reduziu o crescimento do setor serviços americano, que representa mais de três quartos da economia do país.

Esse dado teve maior peso na cotação do ‘ouro negro’ do que o ritmo de criação de emprego nos Estados Unidos, que se manterá ‘sólido’ no restante do ano após ter criado em março 290 mil novos postos de trabalho, de acordo com a empresa privada Automatic Data Processing.

Os contratos de gasolina com vencimento para maio desceram US$ 0,06 e fecharam a US$ 3,33 o galão (3,78 litros), embora os estoques nos EUA tenham recuado na semana passada 1,5 milhão de barris, para os 221,9 milhões de barris.

Os pedidos de gasóleo para calefação com entrega nesse mesmo mês diminuíram também US$ 0,06 e terminaram a US$ 3,16 o galão, depois de as reservas nos Estados Unidos se mantiverem inalterada em 135,9 milhões de barris.

Os contratos de gás natural com vencimento em maio perderam US$ 0,04 e fecharam a US$ 2,14 para cada mil pés cúbicos, à espera de o Departamento de Energia dos Estados Unidos publicar nesta quinta-feira o dado semanal das reservas no país. EFE