Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Balança comercial tem superávit de US$ 1,715 bi em fevereiro

Por Da Redação 1 mar 2012, 15h25

O Brasil registrou superávit comercial de US$ 1,715 bilhão em fevereiro, informou nesta quinta-feira o Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

De acordo com a pasta, esse é o maior resultado mensal desde fevereiro de 2009, quando a balança registrou superávit de US$ 1,8 bilhão. O resultado é fruto de exportações de US$ 18,028 bilhões e importações de US$ 16,313 bilhões. Nos dois casos, os resultados são recordes para o mês.

Em relação às vendas externas houve crescimento de 13,4% no mês passado ante fevereiro de 2011, quando o superávit ficou em US$ 16,7 bilhões.

Em relação às compras externas, o aumento foi de 10,5% na mesma comparação, já que em fevereiro do ano passado as importações somaram US$ 15,5 bilhões. Tanto nas exportações como nas importações, a taxa de crescimento foi a menor dos últimos três anos na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Em janeiro deste ano, a balança registrou déficit de US$ 1,291 bilhão, o que levou o primeiro bimestre de 2012 a registrar um saldo comercial positivo de US$ 423 milhões. No acumulado de janeiro e fevereiro deste ano as exportações somaram US$ 34,169 bilhões e as importações totalizaram US$ 33,746 bilhões.

Meta – O MDIC divulgou ainda a sua meta para as exportações brasileiras para 2012. Segundo o secretário-executivo da Pasta, Alessandro Teixeira, o objetivo é vender US$ 264 bilhões em produtos brasileiros no mundo.

A expectativa, de acordo com o secretário, é 3,1% maior do que as exportações do ano passado. A meta de exportação brasileira para 2011, que foi revisada para cima ao longo do ano, terminou em US$ 257 bilhões – o resultado efetivo foi de um saldo um pouco menor, de US$ 256 bilhões.

O secretário enfatizou que o governo não possui meta para importações e tampouco para o saldo da balança comercial. Ele disse apenas que a expectativa é de um resultado positivo da balança este ano, mas não tão forte quanto o de 2011.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade