Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Avança investigação por pagamento de propina contra a Embraer

Por Da Redação 3 nov 2013, 14h07

Um documento obtido pelo �jornal americano The Wall Street Journal� revela detalhes da investigação conduzida por autoridades do Brasil e dos Estados Unidos sobre a suspeita de que a Embraer tenha pago propina para obter um contrato de venda de aviões à Força Aérea da República Dominicana. O documento é um pedido de informações das autoridades brasileiras ao governo dos EUA, enviado em fevereiro deste ano.

Segundo o texto, funcionários do Departamento de Justiça dos EUA e da Securities and Exchange Comission (SEC, a CVM americana) apresentaram o caso a autoridades brasileiras em março de 2012, em Paris, durante uma conferência internacional sobre combate à corrupção. Nos meses seguintes, os EUA disseram ter evidências, incluindo registros bancários e e-mails, que mostrariam que executivos da Embraer aprovaram o pagamento de um suborno de 3,4 milhões de dólares a um coronel reformado da Força Aérea Dominicana para que ele influenciasse o governo de seu país a fechar a compra de oito aviões Super Tucano por 90 milhões de dólares.

A Embraer anunciou que estava sendo investigada em 2011 e afirmou que coopera com as autoridades. A empresa contratou o escritório de advocacia americano Baker & McKenzie para conduzir uma investigação interna, depois de receber uma intimação da SEC em setembro de 2010.

Em comunicado divulgado por e-mail na sexta-feira, a fabricante de aviões brasileira disse que “integridade, transparência em suas transações comerciais e ética em seus relacionamentos são os princípios que sempre guiaram a Embraer. A companhia requer que todos os seus funcionários tenham uma conduta de acordo com as leis e regulamentações, tal como estabelecido em suas políticas corporativas e em seu Código de Ética e de Conduta. Devido à confidencialidade obrigatória da investigação, a companhia não pode comentá-la”.

Contas bancárias – Segundo o documento obtido pelo Wall Street Journal, a investigação está centrada no coronel reformado Carlos Piccini, da Força Aérea Dominicana, que em 2009 era diretor de projetos especiais das Forças Armadas de seu país. Piccini teria orientado executivos da Embraer a dividirem o pagamento dos 3,4 milhões de dólares entre contas bancárias mantidas por três empresas de fachada.

O documento também diz que funcionários da Embraer teriam tentado ocultar os pagamentos dessa propina registrando-o como comissões relacionadas a uma venda de aeronaves para a Jordânia, que nunca aconteceu.

A Força Aérea da República Dominicana disse que Piccini está aposentado e não pode ser encontrado. Pedidos à Presidência da República Dominicana para mediar um contato com ele não foram respondidos, assim como solicitações de comentários sobre o caso. Porta-vozes da SEC e do Departamento de Justiça negaram-se a comentar o caso, assim como os procuradores Fernando Lacerda Dias e Marcelo Paranhos de Oliveira Miller, do Ministério Público Federal.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês