Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Arrecadação do governo tem o melhor janeiro em 29 anos

Primeiro resultado dos recolhimentos de impostos do governo Lula mostra a continuidade do ritmo da economia

Por Larissa Quintino
Atualizado em 23 fev 2023, 19h31 - Publicado em 23 fev 2023, 10h55

A arrecadação do governo federal com impostos, contribuições e demais receitas somou 251,7 bilhões de reais em janeiro. De acordo com os dados da Receita Federal divulgados nesta quinta-feira, 23, o resultado representa um aumento real de 1,14% na comparação com o mesmo mês do ano passado e é o maior valor registrado para o mês de janeiro desde o início da série histórica, em 1995.

A manutenção do crescimento da arrecadação é uma sinalização positiva do ritmo da economia brasileira. Neste ano, analistas do mercado financeiro estimam desaceleração do PIB tanto no país como em outras grandes economias. A arrecadação de impostos em alta mostra que ainda há dinamismo no início do ano, refletindo o fim do ano passado.

De acordo com a Receita Federal, o resultado de janeiro foi influenciado pela arrecadação atípica de 3 bilhões de reais em Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) em janeiro deste ano. Segundo a Receita, essa arrecadação atípica está ligada a empresas do setor de commodities de exploração mineral. O governo também destaca o aumento de 8,63% na refeita previdenciária, devido ao aumento da massa salarial e de 58% na arrecadação do IRRF sobre rendimentos de capital, incidente de movimentações financeiras.

Por outro lado, houve a perda de 5,65 bilhões de reais na arrecadação de tributos por conta da redução do PIS/Cofins sobre combustíveis (3,75 bilhões de reais) e do Imposto Sobre Produtos Industrializados (1,9 bilhão de reais), na comparação com mesmo período do ano passado. O governo Lula prorrogou até o fim deste mês a desoneração dos impostos federais sobre a gasolina e o etanol e até o fim do ano do diesel.

Além dos sinais da economia, o bom resultado da arrecadação contribui para o cumprimento meta das contas públicas. Neste ano, o Orçamento aprovado pelo Congresso Nacional prevê um déficit primário de até 231,5 bilhões de reais neste ano. Em janeiro, o Ministério da Fazenda anunciou um pacote de medidas, focado principalmente no aumento da arrecadação, para reduzir o rombo fiscal estimado para este ano para abaixo de 100 bilhões de reais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.