Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aneel publica despachos retificando valores de repasses a distribuidoras

Na última sexta-feira a agência já havia dito que seriam repassados R$ 4,045 bilhões e não mais R$ 3,29 bilhões

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicou um despacho retificando valores de repasse às distribuidoras de energia no Diário Oficial desta segunda-feira, com os valores do segundo e terceiro desembolso em 4,062 bilhões e 2,278 bilhões de reais, respectivamente.

A Aneel também publicou outro despacho, no qual altera o valor do repasse que será feito até esta segunda-feira para 4,045 bilhões de reais, como já havia anunciado na sexta-feira. A agência antes previa repasse de 3,29 bilhões de reais o montante da Conta Centralizadora (Conta-ACR) a ser repassado às distribuidoras de energia pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Leia mais:

Leilão de transmissão de energia termina com deságio médio de 13,2%

TCU vê “claros indícios” de que geração de energia não será suficiente

Somado à primeira parcela, de 4,7 bilhões de reais, o total utilizado para cobrir o rombo das distribuidoras em fevereiro e março de 2014 já soma 8,7 bilhões de reais. Com isso, sobram apenas 2,5 bilhões de reais do total do empréstimo (11,2 bilhões de reais) contratado pela CCEE em nome das companhias.​

O presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, havia dito que a necessidade de recursos de abril seria de 3,2 bilhões de reais, exatamente o que restava do financiamento. Com a mudança no valor, agora o recurso se torna insuficiente. O setor já pediu ao governo mais 7,2 bilhões de reais para arcar com as despesas das distribuidoras para o período entre maio e dezembro deste ano.

Cenário – O baixo nível dos reservatórios e a necessidade de mais energia para conter a alta da demanda levaram as distribuidoras a comprar eletricidade a preços muito altos no mercado livre. Como o governo fez de tudo para que esse custo extra não fosse repassado ainda este ano aos consumidores, sugeriu um arranjo estratégico para tomar emprestado dinheiro de bancos para cobrir o rombo e postergar o pagamento.

(com agência Reuters)