Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aneel eleva para R$ 4,045 bi a 2ª parcela das distribuidoras

Valor é R$ 700 milhões superior ao informado anteriormente pela Agência. Dinheiro ajudará empresas a pagar o aumento exponencial das despesas com compra de energia no mercado livre

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira que vai aumentar em 700 milhões de reais o valor da segunda parcela do empréstimo obtido pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) para socorrer as distribuidoras do setor elétrico. Agora, o repasse será de 4,045 bilhões de reais e não mais de 3,285 bilhões de reais, conforme havia fixado a agência na terça-feira. A correção do valor será publicada no Diário Oficial da União na próxima segunda-feira.

Somado à primeira parcela, de 4,7 bilhões de reais, o total utilizado para cobrir o rombo das distribuidoras em fevereiro e março de 2014 já soma 8,7 bilhões de reais. Com isso, sobram apenas 2,5 bilhões de reais do total do empréstimo (11,2 bilhões de reais) contratado pela CCEE em nome das companhias.

Leia mais:

Leilão de transmissão de energia termina com deságio médio de 13,2%

TCU vê “claros indícios” de que geração de energia não será suficiente

​Aneel aprova repasse de R$ 3,29 bi para distribuidoras até 12 de maio

Em entrevista à Agência Estado nesta sexta, o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, havia dito que a necessidade de recursos de abril seria de 3,2 bilhões de reais, exatamente o que restava do financiamento. Mas, com a retificação feita pela Aneel nesta tarde, os recursos não serão mais suficientes nem para cobrir os gastos do mês passado. Surge, assim, um buraco na conta de, pelo, menos 700 milhões de reais, se os cálculos da Abradee estiverem corretos.

Leite havia adiantado que o setor pediria ao governo mais 7,2 bilhões de reais para arcar com as despesas das distribuidoras para o período entre maio e dezembro deste ano. Procurada após a divulgação da correção pela Aneel, a Abradee confirmou que, com o remanejamento dos recursos do empréstimo, o novo pedido do setor aumentará na mesma proporção, chegando a 7,9 bilhões de reais.

(com Estadão Conteúdo)