Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

AIE vê maior demanda por petróleo em 2014

O crescimento da economia global está entre os fatores que justificariam maior consumo do óleo

Por Da Redação 21 jan 2014, 10h47

A demanda global por petróleo aumentará com mais rapidez neste ano à medida que o crescimento econômico acelera, superando a oferta, afirmou nesta terça-feira a Agência Internacional de Energia (AIE). Isso é esperado mesmo que a produção de óleo de xisto nos Estados Unidos alcance máximas recordes, como o país vem divulgando. Para a AIE, o consumo mundial de petróleo aumentará em 1,3 milhão de barris por dia (bpd) neste ano, 50 mil bpd a mais do que estimado anteriormente.

“O crescimento da demanda global por petróleo parece ter ganhado força gradualmente nos últimos 18 meses, conduzida pela recuperação econômica no mundo desenvolvido”, disse a AIE em seu relatório mensal. Em sua visão, a maioria das economias da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) já está em plena recuperação da recessão que as atingiu a partir de 2009, com avanços em setores que demanda muita energia, como industrial e petroquímico.

Leia mais:

Brasil ainda não pode explorar gás de xisto com segurança​

Gás de xisto resulta em queda das vendas da Petrobras aos EUA​

Continua após a publicidade

Petrobras confirma descoberta de petróleo na reserva de Franco

A produção de petróleo norte-americano está aumentando rapidamente e a previsão é de que cresça em 780 mil bpd neste ano. Mas, a agência internacional de energia lembrou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) também terá que produzir mais para suprir a alta na demanda.

A AIE elevou sua previsão de demanda pelo petróleo da Opep neste ano em 200 mil bpd, para 29,4 milhões bpd. “A demanda durante os últimos meses tem exaurido os estoques de petróleo apesar da elevada produção”, segundo a AIE.

A agência com sede em Paris comunicou que os estoques comerciais de petróleo nos países industrializados despencaram em 53,6 milhões de barris, a maior queda mensal desde 2011.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade