Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aécio quer reduzir inflação ao centro da meta em até 3 anos

Em entrevista à GloboNews, candidato tucano prometeu política fiscal 'mais transparente' do que a de Dilma: 'Governo aposta na maquiagem dos números'

Depois de ser entrevistado no Jornal Nacional, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, participou do Jornal das Dez, da GloboNews, na noite de segunda-feira e prometeu uma política fiscal “mais austera e mais transparente” do que a praticada pela gestão de Dilma Rousseff. “O governo atual aposta no descontrole, aposta permanentemente na maquiagem dos números como instrumento de superação de dificuldades”, criticou Aécio.

Leia também:

Inflação crava 6,5% em 12 meses, no teto da meta

Aécio: ‘Dilma retoma agenda derrotada da inflação’

Inflação – O tucano reconheceu que, caso seja eleito, uma redução da inflação para o centro da meta já no primeiro ano de governo seria difícil – mas ressaltou que o índice pode ser diminuído em um prazo de até três anos. “Não conseguiremos em 2015. Esse é um projeto, temos discutido isso com nossa equipe econômica, para dois ou três anos. Agora, nós vamos focar no centro da meta, não no teto, como tem feito o governo”, afirmou.

Atualmente, a meta de inflação é de 4,5 por cento ao ano, com um intervalo de tolerância de dois pontos para cima e para baixo. A inflação em 12 meses medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o medidor oficial do governo, tem rodeado o teto da meta, ocasionalmente ultrapassando-o. Em julho, a inflação pelo IPCA em 12 meses ficou em 6,5%, exatamente no teto da meta.

Além de projetar a redução da inflação, Aécio também falou em estreitar o atual intervalo de tolerância de dois pontos, o que diminuiria o teto da meta. “Vamos chegar ao final do nosso mandato com a inflação no centro da meta, a partir daí vamos diminuir as bandas de tolerância, que me parecem excessivamente largas, para encaminharmos para a redução do centro da meta para o futuro”, comentou o candidato.

(Com agência Reuters)