Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ações do Carrefour desabam por causa dos problemas contábeis no Brasil

Rombo chega a 1,23 bilhão de reais, de acordo com o grupo francês

Por Da Redação 1 dez 2010, 08h18

O rombo é atribuído a ativos e produtos em estoque que foram lançados no balanço da empresa nos últimos cinco anos sem a devida depreciação

As ações do Carrefour desabavam 10% nesta quarta-feira, depois que o maior grupo de varejo da Europa cortou sua estimativa de lucro para 2010 pela segunda vez em seis semanas. Na terça-feira, a rede afirmou esperar um lucro operacional de 3 bilhões de euros (3,9 bilhões de dólares) para este ano. O número é 130 milhões de euros mais baixo que a estimativa anterior.

A rede varejista está sofrendo perdas com os erros contábeis no Brasil, que já atingiram 550 milhões de euros (1,23 bilhão de reais), segundo comunicado divulgado na terça-feira. “Para não alterar o valor previsto do lucro operacional e considerando o montante não-recorrente e excepcional desses encargos, eles serão totalmente reconhecidos como receita não-operacional”, afirmou o grupo francês em comunicado.

O rombo é atribuído a ativos e produtos em estoque que foram lançados no balanço da empresa nos últimos cinco anos sem a devida depreciação. Até agora, o déficit era atribuído principalmente ao lançamento das promessas de bônus que não foram concretizadas.

Os erros contábeis provocaram a saída do antigo presidente da empresa no Brasil, Jean Marc Pueyo, e de boa parte da diretoria em julho deste ano. O atual presidente, Luiz Fazzio, que substituiu Pueyo, terá três anos para colocar a casa em ordem e fazer o Carrefour voltar aos lucros sem maquiagens no balanço. O presidente mundial da rede Lars Olofsson disse na terça-feira que não venderá as operações no Brasil, apesar dos problemas descobertos.

Às 8h26 (horário de Brasília), as ações do Carrefour exibiam perda de 8,35%, a 31,93 euros, depois de terem chegado a cair a até 31,32 euros mais cedo. O papel era o de maior perda no índice da bolsa de Paris.

Continua após a publicidade
Publicidade