Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ação da OGX sobe 48% ante rumores de saída de Eike

Credores da petroleira estariam considerando uma proposta que converteria dívidas em ações, diluindo a participação do empresário

Por Da Redação - 15 out 2013, 19h54

O principal índice da Bovespa subiu nesta terça-feira, graças à disparada da petroleira OGX, que teve a maior alta desde a estreia na bolsa, em meio a notícias de que o empresário Eike Batista poderia deixar o controle da companhia. O Ibovespa subiu 1,5%, a 54.980 pontos, superando os 55 mil pontos. Com a alta desta sessão, o índice ampliou seu avanço em outubro para 5,05%. O giro financeiro do pregão foi de 9,5 bilhões de reais, superior à média dos últimos dias.

Leia ainda: OGX pode ser primeira empresa do Ibovespa a quebrar

Com as ações das Petrobras e Vale tendo variações mais modestas e as bolsas dos EUA recuando, o Ibovespa avançou majoritariamente por conta da OGX. A ação, que subiu quase 48%, teve sua maior alta percentual desde que chegou à bolsa, em junho de 2008. A disparada da ação ocorreu após o portal Infomoney afirmar que credores da OGX consideram uma proposta que converteria dívida em ações, dando a eles uma fatia na companhia e diluindo a participação do controlador Eike Batista.

“A notícia acabou provocando uma cobertura de posições de quem está vendido no papel com a proximidade do exercício de opções sobre ações (na próxima segunda), já que ninguém vai pagar para ver”, afirmou o especialista em renda variável Rogério Oliveira, da Icap Brasil.

Publicidade

A MMX, também do grupo EBX, teve a segunda maior alta do Ibovespa, depois de acertar a transferência do controle do seu porto de minério de ferro para a Trafigura e o fundo Mubadala, de Abu Dhabi.

Leia também:

Bolsa nega que OGX tenha motivado mudança no Ibovespa

OGX desaba e arrasta Ibovespa, que perde os 54 mil pontos

Publicidade

Demissões – Também nesta terça, Eike Batista demitiu o presidente da OGX, Luiz Carneiro, o diretor de Relações com os Investidores, José Carlos Faveret, e Roberto Monteiro, consultor da petroleira. A empresa ainda não divulgou fato relevante para informar os acionistas sobre a decisão.

(com agência Reuters)

Publicidade