Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Abimaq prevê demissões na indústria em quatro meses

Por Wladimir D’Andrade

São Paulo – O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto, disse hoje que o setor deve começar a demitir dentro de três a quatro meses. A previsão dele está baseada na queda de 23,7% da carteira de pedidos da indústria de máquinas verificada em setembro em relação ao mesmo mês de 2010. “Com a carteira de pedidos caindo e o adiamento de entregas, a tendência é de redução no número de vagas e do faturamento”, afirmou.

De acordo com os dados da Abimaq divulgados hoje, não foram criadas vagas no setor em setembro em relação a agosto. Além disso, desde maio o setor vinha registrando desaceleração na geração de postos de trabalho. “Tenho certeza de que haverá, dentro de três a quatro meses, uma freada na indústria de máquinas, não posso prever se vai ser drástica ou não, mas vai ser daquelas freadas de sair fumaça”, disse.

Segundo Aubert Neto, o setor sofre cada vez mais com a concorrência de produtos importados, o real valorizado e as altas taxas de juros. Para a Abimaq, o aceitável seria um dólar a no mínimo R$ 2,10. “Esse câmbio poderia ser imposto pelo governo por meio de uma canetada, como ocorreu na Suíça recentemente, ou com a redução da taxa Selic.”

O presidente da Abimaq elogiou o fato de o País ter conseguido levar a questão cambial à Organização Mundial do Comércio (OMC) – o Brasil conseguiu aprovar na OMC a realização de um seminário para discutir a relação entre câmbio e comércio internacional, na última segunda-feira. Mesmo considerando que esse é apenas um primeiro passo e que falta muito para a implementação de ações, o empresário afirmou que a iniciativa é excelente para o País e ruim para a China. “É um grande passo porque já admite que o problema existe. Mas ainda falta muito para a adoção de medidas práticas.”

Em entrevista coletiva hoje na capital paulista, Aubert Neto contou que negocia com o governo a situação de 60 produtos prioritários do setor de máquinas e equipamentos de uma lista de 814 que enfrentam dificuldades por causa da concorrência de componentes estrangeiros que chegam ao Brasil a preço abaixo do custo de produção da indústria nacional. “Como pode uma máquina desembarcar no Brasil ao custo de US$ 6 a US$ 7 o quilo quando isso aqui não paga nem o custo da matéria-prima? Isso é um crime”, protestou.

Uma das propostas apresentadas pela Abimaq é o estabelecimento de preços de referência para alguns tipos de máquinas. A determinação do preço de referência impõe um valor mínimo de preço para um produto, sobre o qual incidiria a cobrança de tributos. Esse preço deveria ser baseado em uma média mundial que, na avaliação de Aubert, deveria excluir a China.

As negociações, no entanto, não caminham no ritmo que os empresários gostariam. “Não foi feito absolutamente nada até agora. O governo está enrolando a gente”, desabafou. Perguntado se a Abimaq recebeu um prazo para a elaboração de medidas por parte do governo, Aubert Neto brincou: “Quando o Corinthians ganhar a Libertadores.”

Ao defender a queda de ao menos mais três pontos porcentuais na taxa básica de juros, o presidente da Abimaq discordou da análise de especialistas de que a redução da Selic pode provocar pressão inflacionária na economia brasileira. “Os juros impactam investimentos. Não acredito que a queda da Selic leve ao aumento nos preços dos alimentos e dos produtos de compra”, disse, ao defender também a desoneração de qualquer investimento realizado no País, tanto por parte de empresas nacionais quanto de estrangeiras, a tributação do capital especulativo e mais verbas para educação e inovação.

“O que a gente vai gastar este ano com inovação, saúde e educação é muito menos do que o País vai destacar para pagar juros da dívida”, afirmou. “Temos de reverter isso.”