Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

AB InBev avalia a compra da SABMiller; negócio criaria cervejaria ‘colossal’

Juntas, as duas maiores fabricantes de cervejar do mundo responderiam pela produção de um terço do consumo da bebida do mundo

Por Da Redação 16 set 2015, 14h43

A Anheuser-Busch InBev abordou a rival SABMiller para tratar de uma possível aquisição, em um negócio que, se concretizado, formaria uma cervejaria colossal, responsável pela produção de um terço da cerveja consumida no mundo. A AB InBev, maior cervejaria do planeta, fabrica marcas como Budweiser, Stella Artois e Corona, e a britânica SABMiller, a número dois no planeta, é dona das marcas Peroni, Grolsh e Pilsner Urquell. No Brasil, a AB InBev controla indiretamente a gigante Ambev.

Um grupo combinado teria valor de mercado de cerca de 275 bilhões de dólares, com base nos preços atuais, e combinaria a dominância da AB InBev na América Latina com a forte presença da SABMiller na África – ambos mercados de rápido crescimento -, assim como suas cervejarias na Ásia. “A atração real é a África, onde a AB InBev não tem presença, assim como alguns acréscimos na Ásia e na América Latina”, disse o analista do setor de bebidas do Société Générale Andrew Holland.

A SABMiller disse nesta quarta-feira ter sido informada pela AB InBev de que a companhia pretende fazer uma proposta, mas a britânica acrescentou não ter nenhuma outra informação sobre os seus termos. “O conselho da SABMiller analisará e responderá apropriadamente a quaisquer propostas que possam ser feitas”, disse.

A AB InBev confirmou sua abordagem ao Conselho da SABMiller. “Não pode haver certeza de que essa abordagem resultará em uma oferta ou acordo, ou sobre os termos”, disse. Em comunicado nesta quarta-feira, a Ambev disse que o processo está sendo conduzido diretamente pela AB InBev, sem a participação da Ambev. Assim, informa a empresa, não há informações adicionais àquelas divulgadas por AB InBev ou por SABMiller.

As ações da SAB saltaram 19,9% e as da AB InBev subiram 6,41% nesta quarta-feira, enquanto Heineken, Carlsberg e outras rivais também subiram mais de 3% com a expectativa de que a SAB possa buscar outra fusão como uma estratégia de defesa. O papel da brasileira Ambev sobe 2,31% no início da tarde desta quarta-feira, momento em que o Ibovespa, principal indicador da Bovespa, sobe 2,29%.

A AB InBev teria que pagar ao menos 40 libras (62 dólares) por ação da SAB Miller, e talvez até 45 libras, segundo analistas. Isso significaria um preço geral de até 130 bilhões de dólares, incluindo a dívida da SABMiller.

Leia também:

Conheça as dez cidades com as cervejas mais baratas do mundo

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade