Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A privatização da Petrobras cai no gosto do eleitor, segundo nova pesquisa

Pesquisa XP/Ipespe aponta que 67% dos brasileiros aprovam a desestatização da companhia, caso se comprove que os preços dos combustíveis vão cair

Por Felipe Mendes Atualizado em 20 Maio 2022, 13h26 - Publicado em 20 Maio 2022, 10h15

O tema “privatização”, geralmente, é espinhoso para a maioria da população brasileira. Em suma, há o receio popular de que o serviço prestado por uma estatal fique mais caro para a população após uma desestatização. Mas a última pesquisa Ipespe/XP, divulgada nesta sexta-feira, 20, aponta um indicador curioso: 67% dos brasileiros são favoráveis à privatização da Petrobras, caso fique comprovado que os preços dos combustíveis vão baixar em decorrência disso. Apenas 27% disseram ser contrários à medida, nesses mesmos moldes. É nítido o descontentamento do público com a inflação dos preços dos combustíveis no país. O tema foi incluído na amostra após a encomenda de um estudo sobre a privatização da petrolífera por parte do novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida. O economista assumiu a cadeira de Bento Albuquerque, desligado do governo um dia após um novo reajuste no diesel que irritou o presidente Jair Bolsonaro e sensibilizou ainda mais a inflação — um dos temas que mais tiram o sono do presidente.

Sem levar em consideração o efeito de queda nos preços, o indicador mostra que 38% dos brasileiros são a favor da privatização da Petrobras — ainda assim, um número considerável, que pode chegar a 41%, na margem de erro. Embora o número de pessoas contrárias à desestatização da companhia seja ligeiramente superior (49%), a amostra dá uma sinalização de que a população não está satisfeita com os rumos da empresa, já que os repasses nos valores praticados nos combustíveis têm um impacto significativo na inflação que assola o dia a dia das famílias.

A pesquisa também perguntou quem é o maior responsável pelo aumento no preço dos combustíveis. Para a grande maioria dos entrevistados, 64%, a principal culpada pelos repasses nos preços é a Petrobras. O presidente Jair Bolsonaro aparece na segunda posição, com 45%, na lista de quem tem “muita responsabilidade” pela alta do valor da commodity. A guerra na Ucrânia, que fez com que a cotação do barril de petróleo disparasse internacionalmente, apareceu logo em seguida, com 40%, empatada com os governadores dos estados. Para 37% da população, os governos petistas, de Lula (2002-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016), têm “muita responsabilidade” pela atuação situação nos preços, enquanto 33% disseram que os presidentes anteriores não têm “nenhuma responsabilidade” com a alta de preços em 2022; neste quesito, Bolsonaro aparece com 26%.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)