Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A mudança drástica na China que deve injetar ânimo na economia global

Governo chinês altera a abordagem de Covid Zero e novas diretrizes devem acabar com os lockdowns massivos

Por Larissa Quintino Atualizado em 7 dez 2022, 10h52 - Publicado em 7 dez 2022, 10h40

A China anunciou nesta quarta-feira, 7, uma guinada radical em sua abordagem de Covid Zero. A potência asiática irá aliviar uma série de restrições que persistiam mesmo após o restante do mundo passar a conviver com o vírus com medidas mais flexíveis após a vacinação.  

Ao descartar os principais princípios da estratégia de eliminação do vírus, incluindo forçar as pessoas infectadas a campos de quarentena centralizados — isto é, lockdowns —  a China está repentinamente mudando de marcha mais rápido do que o esperado. O ritmo reflete a pressão sobre o presidente Xi Jinping para traçar um caminho para sair da crise e reprimir o descontentamento público. 

A adesão de três anos ao Covid Zero atingiu a atividade econômica, diminuindo a confiança do consumidor e das empresas e deixando as pessoas presas em um ciclo de surtos e bloqueios.  O fim da política dos lockdowns é um alívio para o setor produtivo global que sentiu muito a quebra das cadeias com a interrupção de produção na China.

O impacto de uma China com políticas de covid menos restritivas é muito positivo. Já observamos uma mudança de postura das lideranças chinesas, e o foco voltou a ser crescimento econômico”, afirma Victor Inoue, head de produtos da WIT Invest. De olho na recuperação, altos funcionários do governo chinês estão debatendo uma meta de crescimento econômico de cerca de 5% em 2023 — uma notícia alvissareira para a economia brasileira, que tem nos chineses seus maiores parceiros comerciais. 

O governo chinês disse que usará uma política monetária “direcionada e enérgica”, pois visa uma “melhoria geral” na economia no próximo ano, de acordo com uma leitura de quarta-feira de sua reunião mais recente. A frase “Dynamic Zero Covid”, que já havia usado anteriormente, não apareceu.

Continua após a publicidade

Medidas

Menos de um mês depois de iniciar o processo de reabertura ao emitir 20 diretrizes para as autoridades locais para minimizar a interrupção de regras mais frouxas, a Comissão Nacional de Saúde estabeleceu 10 novas medidas para ajudar no afastamento do Covid Zero. Os mercados pareciam surpresos com o alcance dos passos, apesar do aumento das expectativas nas últimas semanas. Um rali inicial fracassou porque alguns investidores se preocuparam com um aumento nas infecções e o caos que poderia surgir.

As principais autoridades de saúde procuraram projetar confiança em um briefing em Pequim após o anúncio, insistindo que a adesão ao Covid Zero da China limitou a perda de vidas e que as condições agora eram apropriadas para seguir em frente. Liang Wannian, epidemiologista que se tornou oficial de saúde e liderou a resposta inicial à pandemia na China, disse que o ajuste foi “proativo, em vez de reativo” e que “garantiria que os recursos fossem utilizados com mais eficiência  coordenasse melhor o controle de surtos e o desenvolvimento econômico”. 

As últimas medidas incluem acelerar a vacinação entre os idosos e impedir que as autoridades locais designem grandes áreas como de alto risco, o que levou a restrições semelhantes a bloqueios em conjuntos habitacionais inteiros e em outros lugares. Um código de saúde verde em aplicativos de smartphones de rastreamento de contatos não é mais necessário para viagens domésticas ou para entrar na maioria dos locais. 

Uma expansão nacional da regra de isolamento domiciliar, já permitida em Pequim depois que as instalações de quarentena ficaram sem espaço, pode mudar a percepção pública do vírus de uma séria ameaça à saúde para uma doença mais comum. O governo defendeu sua abordagem Covid Zero durante toda a pandemia, envolvendo testes generalizados e bloqueios para eliminar infecções. Mas deixou a China isolada e causou miséria e dificuldades econômicas. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.