Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJANOMICS Por Guto Ferreira Notícias sobre economia, finanças e negócios, em texto e vídeo

O mercado de eSports já é parte do futuro econômico do Brasil

Uma nova era, anunciada há quase 10 anos finalmente chegou. E com ela, a esperança de movimentar parte da geração mais conectada da história do planeta

Por Guto Ferreira Atualizado em 7 fev 2022, 17h16 - Publicado em 7 fev 2022, 09h00

Lembra quando você, hoje na casa dos 40 anos, que na década de 80 e 90 queria passar quase que a vida toda jogando video game e acreditava que um dia aquilo poderia ser seu ganha pão, sua profissão? Quem é da geração milênio já passou por isso. Mas nunca existiu, de fato, um mercado minimamente viável até o começo da década de 2000. Mas parece que para as gerações Z e Alfa o jogo virou.

A tecnologia avançou, o processamento de dados aumentou, a capacidade de entrega gráfica atingiu níveis quase reais e mais do que isso, criou-se um mercado possível. De acordo com a consultoria Newzoo, a indústria global de games movimentou, em 2021, quase US$ 176 bilhões de dólares. Até 2023 a perspectiva é de que este valor chegue a US$ 200 bilhões de dólares. A maior parte deste valor será de jogos baixados, que podem ser jogados tanto pelo celular e tablets quanto por estações fixas. Aí você pode pensar: “Mas Guto, isso aí são números globais. Aqui no Brasil estamos longe”. Nada disso leitor. A pandemia foi um dos fatores que fez a disparada deste mercado no país chamar ainda mais atenção.

Puxados por jogos como Fortnite, da Epic Games, com mais de 350 milhões de usuários em todo o mundo, entre outros títulos com milhares de adeptos, como FIFA, LOL, CS:GO, NBA, F1 e Rainbow Six, e uma infinidade cada vez maior de times profissionais por todo o Brasil, como INTZ, Pain Gaming, Red Canids, Keyd e Kabum, o país tem se destacado na cena como mercado em crescimento. A recente pesquisa Game Brasil 2021 traz dados interessantes sobre isso:

  • 75,8% dos gamers brasileiros afirmaram que jogaram mais durante a pandemia.
  • 42,2% afirmaram ter gastado mais dinheiro em games;
  • As mulheres são 62,2% do total de jogadores(as) de smartphone enquanto nos consoles, 61,9% são homens;
  • Em 2020 a principal faixa etária de jogadores era a de 25 a 34 anos (33,6%). Agora a principal faixa está em 20 a 29 anos (41,1%);
  • As mulheres são maioria de jogadores (as) no país, representando 51,5% dos players.

Este último dado é particularmente incrível. O avanço de meninas e mulheres neste campo faz com que a economia de games se fortaleça e se diversifique. A apresentação de diversos novos times de garotas e ligas femininas, como a GRRRLS League, que é a 1a liga feminina de CS:GO do mundo, nascida dentro da Game XP, mostrou a força deste recorte no país. Um fato relevante foi a recente contratação pelo time MIBR, um dos pioneiros, mais tradicionais e vencedores do país, da ex-head de novos negócios do Rock in Rio, Roberta Coelho, para a posição de CEO.

A empresária chega com uma bagagem de visão incrível e promete apresentar boas novidades para o time e para o mercado em 2022. A chegada da nova CEO também dá uma mexida nas estruturas do setor no Brasil, tradicionalmente masculinizado com um comportamento inadequado quanto a participação feminina, sobretudo no online. Postura que vem sendo vencida ano após ano e que agora recebe um reforço de peso para uma evolução do mercado de eSports no Brasil.

Temos a nossa frente um setor em franca expansão, que traz esperança para o futuro de parte da economia brasileira e para uma nova geração inteira, que sofreu com desemprego e incertezas nestes últimos 2 anos. O apoio para consolidar este novo segmento no país irá gerar novas profissões, novos trabalhos, uma ampliação sobre o que é ser um esportista e injetar dinheiro novo em uma economia que precisa entender o futuro para ser relevante. E isso é só o começo. O 5G vem aí e estes números serão atualizados exponencialmente.

Vida longa aos gamers, aos games e ao eSports brazuca.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês