Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Real Estate

Por Renata Firpo
Grandes negócios e tendências do mercado imobiliário. Renata Firpo é publicitária, consultora imobiliária e advogada pós-graduada em Direito imobiliário
Continua após publicidade

Como obter o melhor lucro possível na venda de um imóvel usado

Novo modelo de negócio, o house flipping, vem se popularizando no Brasil

Por Renata Firpo
Atualizado em 9 Maio 2024, 12h14 - Publicado em 18 abr 2024, 13h47

Um modelo de negócio que vem se popularizando no Brasil chama-se house flipping, algo como “virando a casa”, em uma tradução livre para o português. Provavelmente você já se deparou com essa modalidade de investimento imobiliário, mas não sabia que havia um nome específico para ele. A ideia do house flipping é emprestada do mercado financeiro, onde se faz um flip de uma ação, e a prática para o mercado imobiliário foi copiada dos Estados Unidos, que tem uma fatia bem aquecida nesse segmento.

A proposta do house flipping é comprar um imóvel a um valor mais competitivo, reformar e revender com uma margem de diferença, confiando no potencial de valorização que a reforma pode impactar na casa ou apartamento. Essa é uma ótima ferramenta para o vendedor que consegue embelezar mais seu produto como também para quem está comprando, que tira da lista o investimento e a dor de cabeça de encarar uma obra, além de um ganho de tempo considerável.

Essa prática costuma ser feita nos imóveis antigos, que têm a vantagem de possuírem plantas generosas, com amplos dormitórios, mas nada impede que quem trabalhe essa modalidade, chamados de “flippers”, reforme apartamentos recém entregues pelas incorporadoras para encantar os clientes.

O foco desse negócio é uma conta que faça sentido e, para isso, o giro precisa ser rápido. Não adianta investir muito para modernizar o imóvel e demorar para vender. O tempo, neste caso, é sinônimo de dinheiro — quanto mais dias se passarem com o imóvel em mãos, mais despesas estão sendo feitas, como condomínio e IPTU.

Os flippers costumam vender por até 150% a mais do valor pago pelo imóvel e buscam uma rentabilidade mínima de 20% em cada unidade comercializada. Para isso, só adquirem imóveis que tenham o perfil ideal, com itens essenciais para ajudar na velocidade de venda, garantindo a segurança no retorno do investimento. Essa lista tem itens como: localização, vagas de garagem, segurança do prédio, valor do condomínio e itens de lazer, entre outros. Se o imóvel escolhido estiver dentro desse padrão, o negócio tem verdadeiro potencial.

Continua após a publicidade

Junto com o cálculo da melhor equação para escolher um bom imóvel para reformar, esses investidores contam com uma equipe treinada e de confiança para executar o projeto com agilidade e qualidade. Não à toa, muitos desses investidores costumam ser arquitetos ou decoradores, acostumados a encarar uma obra e selecionar materiais funcionais e de custos menores.

Para quem pretende entrar nesse mercado, é importante conhecer o público alvo que deseja trabalhar para entregar projetos que se encaixem na demanda. Não adianta transformar um apartamento que esteja completamente diferente da expectativa e do modo de vida do cliente. O possível comprador precisa enxergar na reforma um grande diferencial para que o investimento compense.

Seguindo essa cartilha de mapear o mercado, avaliar as oportunidades dentre de uma lista de requisitos, fazer uma conta e contar com uma boa equipe de execução, trabalhar com house flipping pode ser uma grande alternativa de negócio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.